Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

18
Out17

Se não os podes vencer, junta-te a eles...

Num mundo (demasiado) formatado de acordo com os interesses da espécie humana e em que os restantes animais vão sobrevivendo como podem, algumas espécies adaptaram-se melhor que outras e aprenderam a "utilizar-nos" como ferramenta de prosperidade.

Talvez esta espécie esteja entre as mais adaptáveis e oportunistas. Caçadores, pescadores e até necrófagos, é possível encontrá-los a pescar os invasores lagostins-vermelhos nos nossos ribeiros, a seguir tractores agrícolas em busca de algum pequeno animal fugitivo, a devorarem os restos de alguma vítima de atropelamento ou até a alimentarem-se do nosso lixo nos aterros.

 

A sobrevivência que se diz ser apanágio dos fortes, é na realidade um privilégio dos adaptáveis.

 

- Milhafre-preto (Milvus migrans)

- IBA* Planícies de Évora (09-05-2016)

* (Important Bird Area)

 

Milhafre-preto (Milvus migrans)

 

[EN]

If you can not beat them, join them...

 

In a world too formatted according to the interests of mankind and where the remaining animals survive as they can, some species have adapted better than others and have learned how to "use" us as a tool of prosperity.

 

Perhaps this species is among the most adaptable and opportunistic. Hunters, fishers and even scavengers, you can observe them catching the red crawfish that invades our brooks, following farm tractors in search of some small escaped animal, devouring the remains of some roadkill victim or even feeding of our trash in the landfills.

 

Survival, which is said to be the hallmark of the strong, it's actually a privilege of the adaptable ones.

 

- Black Kite (Milvus migrans)

- IBA* Plains of Évora - Portugal (09-05-2016)

* (Important Bird Area)

 

14
Out17

O Rei Pescador

Basta um som, uma vocalização distintiva, para imediatamente sabermos o que se aproxima. Uma das visões mais belas dos nossos cursos de água: um rápido e brilhante raio azul que termina com uma explosão de laranja quando ele poisa, vigilante, no topo de um qualquer poleiro à beira d'água. Um mergulho repentino, o surgir momentos depois com uma presa no bico e um pequeno voo até ao local do repasto completam o ritual e deixam-nos com um sorriso de satisfação na cara... 

- Guarda-rios (Alcedo atthis
Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (28-08-2016)

 

 

Guarda-rios (Alcedo atthis)

 

[EN]

The Fisher King

Just a sound, a distinctive vocalization, and we immediately know who is coming. One of the most beautiful views of our waterways: a quick and bright blue lightning that ends with an orange explosion when he lands vigilant on top of some perch at the edge of water. A sudden dive, emerging moments later with prey in its beak and a short flight back to the perch complete the ritual and leave us with a smile of satisfaction on our face...

 

- Kingfisher (Alcedo atthis

- Sesimbra - Portugal (28-08-2016)

12
Out17

Mistérios Citadinos

Seria de pensar que uma cidade densamente povoada como Lisboa não pudesse albergar uma grande variedade de espécies selvagens, devido à perturbação causada pela pressão humana.

 

No entanto, o sucesso evolutivo é apanágio dos adaptáveis e a vida acaba por encontrar maneiras de se desenvolver nesta selva de betão e vidro. Em plena metrópole existem reconhecidos polos de biodiversidade como o Parque Tejo, os Jardins da Gulbenkian ou o Parque Florestal de Monsanto... mas qualquer pequeno jardim, quintal arborizado ou zona relvada pode esconder mistérios apenas revelados aos olhos dos mais atentos.

 

Em época de migração outonal, resolvi aproveitar o intervalo do meio da manhã para descontrair um pouco do trabalho e procurar passarinhos nos jardins das redondezas. Observei o sempre espalhafatoso gaio, alguns pardais, estorninhos, melros, três espécies de chapins, trepadeiras, piscos, um papa-moscas-preto e... a surpresa do dia.

 

Torcicolo (Jynx torquilla)

 

Esta pequena e críptica ave da família dos pica-paus deve o seu nome ao hábito de torcer o pescoço de forma quase ofídica. Pode ser avistada no chão (devido à sua preferência alimentar por formigas) ou nos troncos das árvores onde sua plumagem mimética a torna bastante difícil de detectar. 

 

- Torcicolo (Jynx torquilla)

- Lisboa (11-10-2017)

 

Torcicolo (Jynx torquilla)

 

[EN]

City Mysteries


One would think that a densely populated city like Lisbon could not host a lot of wild species due to the disturbance caused by human pressure.

 

However, the evolutionary success is a hallmark of the adaptable ones and life finds a way to develop in the concrete jungle. In the middle of this metropolis there are recognized hotspots of biodiversity such as Park Tejo, the Gulbenkian gardens or the Monsanto Forest Park.... but any small garden or backyard can hide mysteries only revealed to the eyes of the attentive ones.

 

As the autumn migration is upon us, I decided to take advantage of the mid-morning break to relax a bit from work and search for birds in the surrounding gardens. I managed to observe the ever gaudy jay, some sparrows, starlings, blackbirds, three species of tits, tree-creepers, robins, a pied flycatcher and... the surprise of the day.

 

This little cryptic bird of the woodpecker family owes its name to the habit of twisting his neck almost like a snake. It can be sighted on the ground (due to its preference for ants) or on tree branches where its mimetic plumage makes it quite difficult to detect.

 

- Wryneck (Jynx torquilla)

- Lisbon - Portugal (11-10-2017)

10
Out17

Close-up

Quando tentamos fotografar uma ave, há sempre a tendência de querer chegar o mais próximo possível. No entanto as estratégias utilizadas variam de acordo com os objectivos, a experiência, a perícia, a paciência e a consciência de cada um.

Pessoalmente, não me agradam os métodos que desvirtuam o comportamento habitual das aves, nem as tentativas desregradas de aproximação a aves em nidificação. Já as longas esperas no seu meio natural, a arte na utilização de camuflagens, a perícia na escolha do local, a paciência de predador aguardando aquele momento em que a ave, confiante, vem até nós... isso tem valor. Capturar momentos únicos causando pouco ou nenhum impacto na vida das aves é, para mim, a verdadeira definição de Fotografia de Natureza e Vida Selvagem.

No entanto, às vezes um simples passeio pode ser suficiente para conseguir uma boa aproximação... todos já encontrámos aquela ave mais inexperiente, mais distraída ou apenas mais tolerante que nos permitiu uma foto "tipo passe" da qual não estávamos de todo à espera. Esta minúscula ave, confesso, deixou-me com um sorriso no rosto.


- Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)
- Parque das Nações - Lisboa (23-08-2016)

 

Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)

 

[EN]

Close-up


When we try to shoot a bird, there is always the tendency to get as close as possible. However the strategies used vary according to the objectives, experience, expertise, patience and awareness of each one.

Personally I do not like those methods that distort the normal behavior of birds or the disorderly attempts to approach nesting birds. However the long waits in their natural surroundings, the art in the use of camuflage, the expertise in the site selection, the predator patience waiting for that moment when the bird, confident, come to us... oh yes. To capture unique moments causing little or no impact on bird life is, for me, the true definition of Wildlife and Nature Photography.

But sometimes a simple walk can be enough to get a good approximation... everyone has found that one inexperienced, more distracted or just more tolerant bird that allowed a "passport photo" wich we were not expecting at all.

This one, I must admit, caused a big smile on my face.

 

- Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)

- Lisboa - Portugal (23-08-2016)

04
Out17

Passaporte, por favor!

Em 1995, com a aplicação pioneira do acordo de Schengen, Portugal abriu as suas fronteiras aos cidadãos da UE (na altura apenas à França, Espanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Alemanha), tendo deixado de existir controlo sobre as suas movimentações dentro deste espaço.

 

Já as aves não se deixam limitar por essas mesquinhices humanas e as suas movimentações são naturalmente livres e obedecem apenas às condições naturais e aos padrões migratórios "imprimidos" nos seus instintos. Sendo que o conhecimento desses padrões é um precioso auxiliar para os projectos de conservação, um dos métodos mais utilizados para o efeito é a anilhagem científica.

De onde vêm as aves que invernam em Portugal? Por onde passaram? E as estivais, para onde migram? Para o ano voltam aos mesmos locais? Estas e outras perguntas podem ser respondidas com recurso à leitura (e respectivo reporte) de uns poucos dígitos inscritos numa(s) pequena(s) anilha(s). Quase como colocar carimbos num passaporte... 


No caso específico destas anilhas metálicas, é pouco frequente a sua leitura sem que a ave tenha sido recapturada ou mesmo encontrada morta. No entanto, uns breves segundos de sorte permitiram-me ler os 7 algarismos suficientes para reportar esta observação ao respectivo projecto.

Este belo exemplar foi anilhado no ano de 2016 em França pelos colaboradores do Centro de Pesquisas para a Biologia das Populações de Aves (CRBPO) do Museu Nacional de História Natural em Paris e, aparentemente, escolheu o Sapal de Corroios para passar o inverno.

 

- Pisco-de-peito-azul (Luscinia svecica)

- Seixal (27-10-2016)

 

Pisco-de-peito-azul (Luscinia svecica)

 

[EN]

Passport, please!

In 1995, with the pioneering implementation of the Schengen Agreement, Portugal opened its borders to EU citizens (at that time only to France, Spain, Belgium, the Netherlands, Luxembourg and Germany) and since then it has no longer been necessary to carry a travel passport within this space.

Birds, however, are not limited by these human pettinesses and their movements are naturally free and obey only the natural conditions and the migratory patterns "imprinted" on their instincts. Since the knowledge of these patterns is a valuable aid to conservation projects, one of the most commonly used methods for this purpose is the scientific ringing.


Where do the birds that winter in Portugal come from? And the summer birds, where do they migrate to? Next year will they return to the same places? These and other questions can be answered by reading (and reporting) a few digits inscribed on a small ring. Almost like putting stamps on a passport...

In the specific case of these metal rings, their reading is infrequent without recapturing the bird or even finding it dead. However, a few seconds of luck allowed me to read the 7 figures and report this observation to the respective project.

This beautiful specimen was ringed in France (2016) by collaborators from the Research Center for the Biology of Bird Populations (CRBPO) of the National Museum of Natural History in Paris and apparently chose the "Corroios Marsh" to spend the winter.

 

- Bluethroad (Luscinia svecica)

- Seixal - Portugal (27-10-2016)

 

02
Out17

Criaturas da Noite

Fonte de inspiração para lendas, filmes de terror e contos macabros, o morcego carrega o estigma de ser considerado uma criatura malévola, ligada às artes do demo.

 

No entanto nada poderia estar mais errado, estes filhos da noite são bastante benéficos para o Homem pois devoram grandes quantidades de mosquitos, traças e outros insectos perniciosos. Quantas vezes, ao passar por um qualquer poste de iluminação, ouvimos uns estalidos metálicos quase imperceptíveis? Quantas vezes olhámos para cima a tempo de ver apenas uma pequena sombra fantasmagórica? Eles escondem-se nas brumas, não com a intenção de nos sugar o sangue (pelo menos a maioria das espécies) mas apenas para que possam tomar de assalto todos os apetitosos insectos que são atraídos pelas poucas luzes nocturnas.

 

Apesar de impossível de identificar pela foto, esta é uma das das 4 espécies de morcego-de-ferradura (género Rhinolophus) que ocorrem em Portugal e cujo nome advém do apêndice nasal em forma de ferradura.

 

- Morcego-de-ferradura (Rhinolophus sp.)

- Penha Garcia (17-06-2017)

 

Morcego-de-ferradura (Rhinolophus sp.)

 

[EN]

Creatures of the Night

 

Source of inspiration for legends, horror movies and macabre tales, the bat bears the stigma of being considered a malevolent creature linked to the demoniac arts.

 

However nothing could be more wrong: these children of the night are quite beneficial for mankind as they devour large amounts of mosquitoes, moths and other harmful insects. How many times when passing through any lamppost do we heard an almost imperceptible metallic click? How many times have we looked up just in time to see only a little ghostly shadow? They lurk in the shadows, not with the intention of sucking our blood (at least most species) but only so that they can storm all the appetizing insects that are attracted by the few nocturnal lights.

 

Although impossible to identify by the photo, this is one of the 4 species of Horseshoe Bat (genus Rhinolophus) that occur in Portugal and whose name comes from the horseshoe-shaped nasal appendage.

 

- Morcego-de-ferradura (Rhinolophus sp.)

- Penha Garcia - Portugal (17-06-2017)

27
Set17

Testemunho de uma vida ephemera

A natureza oferece-nos constantes lições de adaptação, perseverança e superação... mas também nos presenteia com exemplos de delicadeza e fragilidade.

 

Este pequeno animal pertencente à ordem Ephemeroptera e é o único insecto que, passando por uma metamorfose incompleta, apresenta um estágio intermédio (subimago) de duração raramente superior a 24h, em que - apesar de ainda imaturo sexualmente - possui asas perfeitamente funcionais.

 

Ao contrário da sua fase larvar (ninfa) que pode durar vários anos, os adultos (imago) vivem vidas extremamente curtas, variando entre 5 minutos e um par de dias (conforme a espécie a que pertençam) e nunca se alimentarão, pois apenas dispõem de bocas vestigiais. O seu único objectivo é a reprodução.

 

Esta frágil criatura "decidiu" passar uma boa parte da sua vida adulta na porta do meu carro, permitindo-me um vislumbre da sua delicada beleza e, despertando em mim a natureza filosófica do ser humano, proporcionou-me a contemplação da sua (e da minha própria) efemeridade.

 

- Efémera (Ephemera glaucops)

- Barragem de Morgavel - Sines (23-09-2017)

 

Efémera (Ephemera glaucops)

 

[EN]

Testimony of an ephemeral life

 

Nature offers us constant lessons of adaptation, perseverance and overcoming. But it also presents us with examples of delicacy and fragility.

 

This small animal belongs to the order Ephemeroptera and is the only insect that undergoes an incomplete metamorphosis, thus presenting an intermediate stage (subimago) rarely lasting more than 24 hours, in which - although still sexually immature - it has perfectly functional wings.

 

Unlike their larval phase (nymph) that can last for several years, adults (imago) live extremely short lives ranging from 5 minutes to a couple of days (depending on the species) and will never feed, as they have only vestigial (unusable) mouthparts. Its sole purpose is reproduction.

 

This fragile creature "decided" to spend a good part of his adult life on the door of my car, allowing me a glimpse of its delicate beauty and, awakening in me the philosophical nature of the human being, provided me with the contemplation of his (and my own) ephemerality.

 

- Mayfly (Ephemera glaucops)

- Sines - Portugal (23-09-2017)

25
Set17

"A menina dança?"

A dança é uma das mais importantes e antigas formas de expressão artística da humanidade. Através de movimento dos nossos corpos conseguimos expressar dor, alegria, medo, sensualidade, altivez... existem danças cerimoniais, competitivas, desportivas, lúdicas, variando consoante a cultura dos povos. É, no entanto, desconhecida a sua origem, sabendo-se apenas que é pelo menos tão antiga quanto a história. Como terá surgido?

Terá a arte, uma vez mais, imitado a natureza? É sabido que as suas formas, os seus sons, cores, cheiros e movimentos sempre inspiraram o Homem. Mas os animais não dançam, pois não? Bem, talvez dependa um pouco do conceito de cada um...

A espectacular parada nupcial da Águia-calva é um tango a dois nos céus, carregado de emoção e drama? O espectáculo proporcionado pelos Flamingos dos Andes é o equivalente às nossas coreografias de discoteca? A vistosa exibição de corte do macho de Abetarda terá um paralelo no bêbado lá da aldeia, que dança apaixonadamente com a "mini" na mão? Farão os Albatroses competições de hip-hop? E o Pavão dançará a "Senbu", qual gueixa agitando o seu leque em honra à deusa Amaterasu?

Como sempre, tenho mais perguntas que respostas... mas como impedir que a mente divague, face a uma imagem como esta, em que que a ave parece claramente dizer: "A menina dança?"

- Íbis-preta (Plegadis falcinellus)
- Lezíria Grande - VFX (10-12-2016)

 

Íbis-preta (Plegadis falcinellus)

 

[EN]

"Miss, do you dance?"

Dance is one of humanity's most important and ancient forms of artistic expression. Through the movement of our bodies we can express pain, joy, fear, sensuality, haughtiness... there are ceremonial, competitive, sporting, playful dances, varying according to the culture of the people. However, Its origin is unknown, knowing only that it is at least as old as history.

Has art, once again, imitated nature? It is well known that nature forms, sounds, colors, smells and movements have always inspired mankind. But the animals do not dance, do they? Well, maybe it depends a little on the concept...

Is the spectacular bridal parade of the bald eagle a tango in the skies, loaded with emotion and drama? Is the show provided by the Andean Flamingos the equivalent of our disco choreographies? Do the mating exibihition of the male Bustard have a parallel in the drunk dude, who dances passionately alone with a beer in his hand? Do the Albatrosses compete in hip-hop? And the Peacock, will he dance the "Senbu" just like a geisha waving his fan in honor of the goddess Amaterasu?

As always, I have more questions than answers... but how to prevent the mind from wandering in the face of an image like this, in which the bird clearly seems to say: "Miss, do you dance?"

 

- Íbis-preta (Plegadis falcinellus)

- Vila Franca de Xira - Portugal (10-12-2016)

19
Set17

1º Workshop de Iniciação à Observação de Aves do Projecto VEM

O recém-criado Projecto VEM (Valorização dos Ecossistemas do Montijo) organizou no pretérito sábado dia 16/09/2017 o seu primeiro Workshop de Iniciação  à Observação de Aves e tiveram a amabilidade (e a falta de bom senso) de me convidar para ser o formador/guia. 

 

Foto de Grupo por Eduardo Martins

 

 Sendo esta a minha primeira aventura como "formador", diligenciei de forma a não aborrecer em demasia as pobres almas que tiveram a coragem de comparecer. Após uma pequena apresentação/conversa sobre aves, ecossistemas e natureza e motivados por um "coffee break" à maneira, dirigimo-nos até ao ponto do sapal do Montijo onde vai em breve nascer o 1º observatório de aves da região e tivémos a boa fortuna de dar logo de caras com uma águia-pesqueira (Pandion haliaetus). No entanto não há sorte que se sobreponha à ditadura das marés e não lográmos observar tantas aves como eu esperava... fica para a próxima vez. Ainda assim, segundo o feedback obtido, o saldo final parece ser bastante positivo. Para a próxima faremos ainda melhor!

 

VEM

 

Muito brigado a todos os que participaram.  

 

 

 

 

18
Set17

O maravilhoso mundo das aves

Geralmente, o "comum dos mortais" que nunca se aproximou de um estuário, nunca olhou com atenção para as rochas numa praia, nunca observou atentamente um parque urbano ou nunca teve qualquer interesse por aves, tende a julgar que a avifauna portuguesa se resume a gaivotas, pardais, melros, pombos-fatelas e pouco mais. Tais pessoas nem imaginam o quão longe estão da realidade. Segundo o avesdeportugal.info, "em Portugal Continental já foram registadas 439 espécies de aves em estado selvagem, às quais se podem somar 13 outras espécies sob as quais subsistem dúvidas acerca da sua origem".

 

Ao entrarem pela primeira vez neste mundo, estes "muggles" ornitológicos rapidamente se deparam com a imponência das rapinas, a variedade dos passeriformes, a graciosidade das garças, a "lata" das gaivotas, a simpatia" dos patos ou o colorido dos guarda-rios e abelharucos... depois descobrem aquelas aves especiais que, por serem raras ou de difícil observação, atraem todas as atenções quando resolvem mostrar-se. De repente abre-se todo um mundo novo de vida, cores, sons e movimento.

 

Para uns, é a primeira vez que observam a miríade de aves nos céus das lezírias. Para outros, uma rapina a capturar a sua presa ali mesmo à frente dos seus olhos, ou até a primeira raridade que encontram... certo é que é impossível não existir pelo menos um momento de deslumbre, uma imagem que os deixa literalmente de boca aberta, incrédulos.

 

- Gaivota-prateada (Larus argentatus)

- Trafaria - Almada (19-11-2016)

 

Gaivota-prateada (Larus argentatus)

[EN]

The wonderful world of birds...

Generally, the "common mortal" who never approached an estuary, never looked closely to the rocks at the beach, never looked closely at an urban park or never had any interest in birds tends to judge that the Portuguese avifauna is reduced to seagulls, sparrows, blackbirds, feral pigeons and little else. Such people can not imagine how far they are from reality. According to the portal avesdeportugal.info, "439 species of birds in the wild have been registered in mainland Portugal".

When entering this world for the first time, these ornithological "muggles" are quickly confronted with the magnificence of the birds of prey, the variety of the passerines, the gracefulness of the herons, the "shameless" seagulls, the "friendliness" of the ducks or the colorful of the kingfishers and bee-eaters... then discover those special birds that, because they are rare or difficult to observe, attract all attention when they decide to show themselves. All of a sudden a whole new world of life, colors, sounds and movement.

For some, it is the first time that they observe the myriad birds in the heavens of the wetlands. For others, a bird of prey catching their prey right in front of their eyes or even the first rare bird they find... one thing is certain: it is impossible not to have at least one moment of dazzle, an image that literally leaves them with their mouth open, flabbergasted...

 

- Herring Gull (Larus argentatus)

- Trafaria - Portugal (19-11-2016)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D