Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

08
Dez17

Turistas

Nas praias da frente atlântica de Almada todos os anos estivam milhares de turistas, vindos um pouco de todo mundo. Atraídos pelo nosso ameno clima e pelos extensos areais do concelho, alguns são veraneantes regulares, outros visitam esta zona pela primeira (e possivelmente única) vez...

Chegado o inverno, continua a ser possível encontrar com frequência por ali grupos de bípedes, mas mais provavelmente do tipo emplumado. Tal como os humanos, também estes visitantes chegam genericamente em pequenos grupos.

 

Pilrito-escuro (Calidris maritima)

 

No entanto, (também como algumas pessoas) certos elementos tendem a aparecer sozinhos e, na ausência dos seus pares, acabam por tentar a integração no seio de grupos mistos.
Um caso paradigmático é o desta ave oriunda do norte da Europa que, desde 2015, tem escolhido as praias da margem sul como zona de invernada. Tendo já sido observada em números de 2 ou 3, na maioria das vezes é avistado um indivíduo a alimentar-se entre as rochas, por vezes solitário, noutras ocasiões acompanhado por pilritos-das-praias e/ou rolas-do-mar.

Sendo este bicho relativamente raro no nosso território, parece que Almada está a tornar-se num local bastante consistente para a sua observação.

- Pilrito-escuro (Calidris maritima)
- Almada (28-01-2016)

 

Pilrito-escuro (Calidris maritima)

 

[EN]

Turists

 

On the beaches of Almada's Atlantic front there are thousands of tourists every year, coming from around the world. Attracted by our mild climate and the extensive beaches of the county, some are regular holidaymakers, others visit this area for the first (and possibly the only) time ...

 

When winter arrives, it is still possible to find groups of bipeds, but more likely of the feathered type. Like humans, these visitors also generally come in small groups.

 

However (as some people also) certain elements tend to appear alone and, in the absence of their peers, end up trying to integrate into mixed groups.

A paradigmatic case is this bird from northern Europe that, since 2015, has chosen the beaches of Almada as a wintering zone. Having already been observed in numbers of 2 or 3, most of the time an individual is seen feeding among the rocks. Sometimes solitary, in other occasions accompanied by Sanderlings and/or Ruddy Turnstones.

 

Being a relatively rare animal in our territory, it seems that Almada is becoming a very consistent place for its observation.

 

- Purple Sandpiper (Calidris maritima)

- Almada - Portugal (28-01-2016)

23
Nov17

Onde observar: Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (Sesimbra)

Parte integrante do sistema lagunar da Lagoa de Albufeira, este local apresenta uma exuberante biodiversidade e é um dos meus locais preferidos para observação.

 

Observatório da LontraObservatório da Lontra

 

Esta ZPE (Zona de Protecção Especial), constituida pelas lagoas Pequena e Estacada, é gerida de forma conjunta pelo ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas), pela SPEA (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves) e pelo município de Sesimbra, possuindo vários equipamentos de apoio aos visitantes e contando também com uma bióloga em permanência. Dentro do horário de abertura é possivel visitar o espaço de forma livre ou, em alternativa, marcar uma visita guiada. Os quatro abrigos de observação/fotografia existentes, em conjunto com a possibilidade de alugar binóculos por uma quantia simbólica, tornam este espaço no local ideal para quem pretenda iniciar-se na observação de natureza. 

  • Existe também ali uma loja da SPEA onde é possível adquirir binóculos, guias de campo ou recordações.

 

Marrequinha (Anas crecca)

 

O habitat é essencialmente composto pelo caniçal adjacente às lagoas, uma zona de salgueiros e alguns pinheiros. Nas proximidades existem grandes manchas de pinhal e também algum eucaliptal. Ao passo que a Lagoa Pequena - por estar ligada à lagoa de Albufeira - contém água salgada, a lagoa da Estacada é composta por água doce pois foi criada nos anos 80 pelo ICNF através da construção de um pequeno dique que levou ao alagamento permanente de uma zona de cheias na confluência das ribeiras da Aiana e da Ferraria. Isto criou um nicho ecológico algo diferente daquele que já ali existia.

 

Garçote (Ixobrychus minutus)

 

Aqui podemos observar uma míriade de passeriformes como vários chapins, gralhas-pretas, estorninhos, bicos-de-lacre, escrevedeiras, pintassilgos ou verdilhões, bem como várias espécies de patos como  a frisada, a marrequinha, o pato-real ou o pato-trombeteiro e até mergulhõesgalinhas-d'água, frangos-de-água, garças-reais e garças-vermelhas. Podemos também encontrar o críptico garçote ou o deslumbrante - e em tempos quase extinto - Camão. A colocação dos abrigos junto à água permite-nos uma aproximação ímpar relativamente aos bichos, pelo qual é importante termos em mente de devemos fazer tudo para não os incomodar... afinal este é o "seu" santuário.

 

Frisada (Anas strepera)

 

Em suma, este é um agradável espaço que permite ao naturalista mais inveterado observar mais de meia centena de espécies de aves (para não falar de plantas e insectos) e que ao "comum dos mortais" traz promessas de uma manhã (ou tarde) passada em comunhão com a natureza, não assim tão longe dessa grande floresta de betão que é Lisboa. Para as crianças pode ser um importante veículo de educação ambiental, ajudando-as a ganhar gosto pela observação da natureza. Vale a pena a visita.

 

Camão (Porphyrio porphyrio)

 

É importante reter:

  • respeitar a natureza
  • respeitar a gestão do espaço
  • respeitar os restantes visitantes
  • não deixar nada para além de pegadas (e porque não um pequeno donativo?)
  • não levar nada a não ser boas recordações, fotografias e vontade de voltar

Boa visita!

 

Pato-trombeteiro (Anas clypeata)

 

 [EN]

As a part of the lagoon system of Lagoa de Albufeira, this place has an exuberant biodiversity and is one of my favorite places for observation.

 

This SPA (Special Protection Area), formed by the Pequena and Estacada lagoons, is jointly managed by the National Institute for the Conservation of Nature and Forests (ICNF), SPEA (Portuguese Society for the Study of Birds) and the municipality of Sesimbra, having several visitor support equipments and also counting with a permanent biologist. Within the opening hours it is possible to visit the space freely or alternatively to book a guided tour. The four existing observation/photography shelters, coupled with the possibility of renting binoculars for a token amount make this space the ideal place for anyone wishing to embark on nature observation.

There is also a SPEA store where you can purchase binoculars, field guides or souvenirs.

 

The habitat is essentially composed by reeds, willows and some pine trees. Nearby there are some large areas of pine forest and also some eucalyptus. Whereas the Lagoa Pequena - because it is linked to the Albufeira lagoon - contains salt water, the Estacada lagoon is composed of fresh water because it was created in the 80s by the ICNF through the construction of a small dam that led to the permanent flooding of a flood zone at the confluence of the Aiana and Ferraria streams. This created an ecological niche somewhat different from the one that already existed there.

 

Here we can observe a myriad of passerines such as some species of tits, carrion crows, starlings, waxbills, cirl buntings, goldfinches or greenfinches, as well as several species of ducks such as the gadwall, the common teal, the mallard duck or the northern shoveler and even little grebes, moorhens, water rails, grey herons, and red herons. We can also find the cryptic little bittern or the stunning - and in time almost extinct - purple swamphen. The placement of the shelters by the water allows us a unique approach to the animals, so it is important to keep in mind that we must do everything to avoid disturbing them... after all, this is the "their" sanctuary.

 

In short, this is a pleasant space that allows the most inveterate naturalist to observe more than half a hundred species of birds (not to mention plants and insects) and to the "common mortal" it brings promises of a morning (or afternoon) spent in communion with nature, not that far from the large concrete forest that is Lisbon. For the children it can be an important vehicle for environmental education, helping them to gain a taste for nature observation. It's worth the visit.

 

It is important to keep in mind:

  • respect nature
  • respect the space management
  • respect the remaining visitors
  • do not leave anything apart from footprints (and why not a small donation?)
  • do not take anything but good memories, photographs and the will to return

Enjoy your visit!

06
Nov17

Grandes ou pequenos? Será que o tamanho realmente importa?

Todos têm um, mas nem todos são iguais. Podem tê-los enormes, grandes, médios, pequenos ou minúsculos. Existem os grossos e os finos, os curvados e os rectos.  A maioria terá a ponta fina, mas há-os com a ponta curvada, espalmada e até cruzada...
 
A verdade é que, pelo facto de o ter bem grande, este indivíduo dá nas vistas e impressiona. Provavelmente chega mais fundo e quem sabe até consiga comer o que os outros não conseguem... afinal ele é o "maior lá da aldeia".  

 

Maçarico-real (Numenius arquata)

 

- Maçarico-real (Numenius arquata)

- Amora (15-08-2016)

 

Poderemos, no entanto, dizer que o seu sucesso evolutivo depende de ter um enorme bico? E terá sido o processo de especiação que levou ao crescimento deste ou, pelo contrário, tê-lo grande é que condicionou a sua evolução como espécie? Mais importante: será esta característica uma vantagem evolutiva relativamente aos seus "primos" phaeopus de bico mais pequeno? Aparentemente não, pois estes últimos parecem ser bem mais comuns no nosso país...

 
 A importância do tamanho é um eterno debate mas na Natureza, onde a forma é sempre adequada à função, há um nicho para cada um e todos sem excepção têm o seu papel no esquema geral do ecossistema no qual estão inseridos.

  

Maçarico-galego (Numenius phaeopus)

 

- Maçarico-galego (Numenius phaeopus)

- Baixa da Banheira (24-04-2016)

 

 [EN]

 Big or small ones? Does size really matter?

 

Everyone has one, but not all are equal. They can be huge, large, medium, small, tiny, thick, thin, curved or straight. Most will have a thin point, but there are some with curved, flat or even crossed tips...

 

The truth is that, because it has a very large one, this individual really impresses. He probably goes deeper and maybe even gets to eat what others can not... after all he is the "biggest of his town".

 

Can we, however, say that his evolutionary success depends on having a huge bill? And was it the process of speciation that led to the growth of the beak or, on the contrary, was the size that conditioned its evolution as a species? More importantly: is this feature an evolutionary advantage over its smaller-billed "cousins", Numenius phaeopus? Apparently not, because the latter seem to be much more common in Portugal...

 
 The importance of size is an eternal debate but in Nature, where the form is always fit for the function, there is a niche for each one and all without exception have their role in the general scheme of the ecosystem in which they are inserted.

 

#1

- Curlew (Numenius arquata)

- Amora (15-08-2016)

#2

- Whimbrel (Numenius phaeopus)

- Baixa da Banheira (24-04-2016)

31
Out17

Melodias estivais

Entre Março e o final do verão há um som que se faz ouvir dia e noite pelos caniçais do litoral do país, anunciando a presença de um pequeno passeriforme da família das felosas.
 
 

Rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus)

 

 
O seu persistente canto mesmeriza-nos e provoca-nos a compulsão de o procurar, de o tentar observar... esforço muitas vezes inglório, pois esta ave é geralmente bastante tímida. Quando finalmente o conseguimos encontrar é impossível não ficar ali uns minutos, magnetizados, a apreciar aquele espectáculo da natureza...
 
- Rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus)
Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena - Sesimbra (25-04-2017)
 
 

Rouxinol-pequeno-dos-caniços (Acrocephalus scirpaceus)

 

[EN]

Summer melodies

 

Between March and the end of summer there is a sound that can be heard heard day and night at the reeds by the portuguese coastline, announcing the presence of a small passerine of the warblers family.

 

His persistent singing mesmerizes us and urges us to seek him - an often inglorious effort as this bird is usually quite bashful. When we finally manage to find him, it's impossible not to stay for a few minutes, magnetized, enjoying that spectacle of nature...

 

- Reed Warbler (Acrocephalus scirpaceus)

Sesimbra - Portugal (25-04-2017)

29
Out17

Sobrevivente de "guerra"

Petisco muito apreciado, o tordo é possivelmente a ave que todos os anos é abatida em maiores números pelos caçadores.

Por altura desta foto, cerca de uma semana depois do final da época venatória, era ainda possível encontrar nas nossas matas alguns dos muitos sobreviventes que se alimentavam e preparavam para o regresso a terras mais setentrionais onde iriam procriar.

 

Em Portugal, a nidificação desta espécie costumava ocorrer apenas no extremo norte do território, havendo no entanto sinais de expansão para sul nos últimos anos. (Catry et al 2010)

 

Este solitário espécime vagueava num pequeno bosque de sobreiros e oliveiras, debicando o solo em busca de pequenos invertebrados na companhia de outros passeriformes. Para surpresa de alguns "passeadores de canídeos" que por ali deambulavam, vi-me obrigado a rastejar durnte algum tempo para conseguir aproximar-me a distância de "tiro".

 

- Tordo-comum (Turdus philomelos)

- Corroios (25-02-2017)

 

Tordo-comum (Turdus philomelos)

 

[EN]

War survivor

 

Being a much appreciated snack, the thrush is possibly the bird that every year is killed in greater numbers by hunters.

At time of this pic, about a week after the end of the hunting season, it was still possible to find in our forests some of the many survivors feeding and preparing for their return to the northernmost lands where they breed.

In Portugal, nesting used to took place only at the northern end of the territory, but there were signs of expansion to the south in recent years. (Catry et al 2010)

 

This solitary specimen wandered in a small grove, striking the ground in search of small invertebrates in the company of other passerines and to the astonishment of some "dog walkers" who wandered around, I was "forced" to crawl a little to get at shooting distance.

 

- Song Thrush (Turdus philomelos)

- Corroios (25-02-2017)

23
Out17

A frágil força da natureza

Florestas, estepes, montanhas, rios, desertos, lagos, dunas, oceanos... diversos habitats, cada qual com as suas especificidades e a sua rede de interacções. Ditam as leis do senso comum que nas regiões mais áridas sobrevivam apenas as espécies resistentes e fortes, mas será realmente assim?
 
Nas brutais pressões das fossas abissais sobrevivem peixes de formas tão delicadas que o seu corpo é transparente, nas escaldantes areias dos desertos podemos encontrar pequenos e frágeis lagartos, nas inóspitas montanhas chinesas ainda resiste uma cada vez menor população de Pikas - um pequeno e "fofinho" mamífero aparentado com os coelhos. Estes, entre tantos outros exemplos, são a demonstração cabal de que na natureza a robustez física não é determinante para a sobrevivência, por muito agreste que seja o habitat. A rudeza e a delicadeza coexistem e muitas vezes complementam-se.
 
Dito isto, devo confessar que a última coisa que eu esperava encontrar no topo de uma serra rochosa e agreste, era uma frágil borboleta...
 
- Borboleta-de-pintinhas (Glaucopsyche melanops)
- Serra da Gardunha (15-06-2017)
 

Borboleta-de-pintinhas (Glaucopsyche melanops)

 

[EN]

The fragile strenght of Nature

 

Forests, steppes, mountains, rivers, deserts, lakes, dunes, oceans... diverse habitats, each with its specific characteristics and its interactions network. The laws of common sense dictate that only the strong and resilient species survive in the more arid regions, but will this really be so?

 

In the brutal pressures of the ocean trenches survive fish of such delicate forms that their bodies are transparent, in the scorching sands of the deserts we can find small and fragile lizards, in the inhospitable Chinese mountains still resists a declining population of Pikas - a small and "cute" rabbit related mammal. These, among many other examples, are the demonstration that in nature physical robustness is not determinant for survival, however rugged the habitat may be. Rudeness and delicacy coexist and often complement each other.

 

That being said, I must confess that the last thing I expected to find on top of a rocky and rugged mountain range was a fragile butterfly...

 

- Black-eyed Blue (Glaucopsyche melanops)
- Serra da Gardunha - Portugal (15-06-2017)
18
Out17

Se não os podes vencer, junta-te a eles...

Num mundo (demasiado) formatado de acordo com os interesses da espécie humana e em que os restantes animais vão sobrevivendo como podem, algumas espécies adaptaram-se melhor que outras e aprenderam a "utilizar-nos" como ferramenta de prosperidade.

 

Talvez esta espécie esteja entre as mais adaptáveis e oportunistas. Caçadores, pescadores e até necrófagos, é possível encontrá-los a pescar os invasores lagostins-vermelhos nos nossos ribeiros, a seguir tractores agrícolas em busca de algum pequeno animal fugitivo, a devorarem os restos de alguma vítima de atropelamento ou até a alimentarem-se do nosso lixo nos aterros.

 

A sobrevivência que se diz ser apanágio dos fortes, é na realidade um privilégio dos adaptáveis.

 

- Milhafre-preto (Milvus migrans)

- IBA* Planícies de Évora (09-05-2016)

* (Important Bird Area)

 

Milhafre-preto (Milvus migrans)

 

[EN]

If you can not beat them, join them...

 

In a world too formatted according to the interests of mankind and where the remaining animals survive as they can, some species have adapted better than others and have learned how to "use" us as a tool of prosperity.

 

Perhaps this species is among the most adaptable and opportunistic. Hunters, fishers and even scavengers, you can observe them catching the red crawfish that invades our brooks, following farm tractors in search of some small escaped animal, devouring the remains of some roadkill victim or even feeding of our trash in the landfills.

 

Survival, which is said to be the hallmark of the strong, it's actually a privilege of the adaptable ones.

 

- Black Kite (Milvus migrans)

- IBA* Plains of Évora - Portugal (09-05-2016)

* (Important Bird Area)

 

14
Out17

O Rei Pescador

Basta um som, uma vocalização distintiva, para imediatamente sabermos o que se aproxima. Uma das visões mais belas dos nossos cursos de água: um rápido e brilhante raio azul que termina com uma explosão de laranja quando ele poisa, vigilante, no topo de um qualquer poleiro à beira d'água. Um mergulho repentino, o surgir momentos depois com uma presa no bico e um pequeno voo até ao local do repasto completam o ritual e deixam-nos com um sorriso de satisfação na cara... 

- Guarda-rios (Alcedo atthis
Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (28-08-2016)

 

 

Guarda-rios (Alcedo atthis)

 

[EN]

The Fisher King

Just a sound, a distinctive vocalization, and we immediately know who is coming. One of the most beautiful views of our waterways: a quick and bright blue lightning that ends with an orange explosion when he lands vigilant on top of some perch at the edge of water. A sudden dive, emerging moments later with prey in its beak and a short flight back to the perch complete the ritual and leave us with a smile of satisfaction on our face...

 

- Kingfisher (Alcedo atthis

- Sesimbra - Portugal (28-08-2016)

12
Out17

Mistérios Citadinos

Seria de pensar que uma cidade densamente povoada como Lisboa não pudesse albergar uma grande variedade de espécies selvagens, devido à perturbação causada pela pressão humana.

 

No entanto, o sucesso evolutivo é apanágio dos adaptáveis e a vida acaba por encontrar maneiras de se desenvolver nesta floresta de betão e vidro. Em plena metrópole existem reconhecidos polos de biodiversidade como o Parque Tejo, os Jardins da Gulbenkian ou o Parque Florestal de Monsanto... mas qualquer pequeno jardim, quintal arborizado ou zona relvada pode esconder mistérios apenas revelados aos olhos dos mais atentos.

 

Em época de migração outonal, resolvi aproveitar o intervalo do meio da manhã para descontrair um pouco do trabalho e procurar passarinhos nos jardins das redondezas. Observei o sempre espalhafatoso gaio, alguns pardais, estorninhos, melros, três espécies de chapins, trepadeiras, piscos, um papa-moscas-preto e... a surpresa do dia.

 

Torcicolo (Jynx torquilla)

 

Esta pequena e críptica ave da família dos pica-paus deve o seu nome ao hábito de torcer o pescoço de forma quase ofídica. Pode ser avistada no chão (devido à sua preferência alimentar por formigas) ou nos troncos das árvores onde sua plumagem mimética a torna bastante difícil de detectar. 

 

- Torcicolo (Jynx torquilla)

- Lisboa (11-10-2017)

 

Torcicolo (Jynx torquilla)

 

[EN]

City Mysteries


One would think that a densely populated city like Lisbon could not host a lot of wild species due to the disturbance caused by human pressure.

 

However, the evolutionary success is a hallmark of the adaptable ones and life finds a way to develop in the concrete forest. In the middle of this metropolis there are recognized hotspots of biodiversity such as Park Tejo, the Gulbenkian gardens or the Monsanto Forest Park.... but any small garden or backyard can hide mysteries only revealed to the eyes of the attentive ones.

 

As the autumn migration is upon us, I decided to take advantage of the mid-morning break to relax a bit from work and search for birds in the surrounding gardens. I managed to observe the ever gaudy jay, some sparrows, starlings, blackbirds, three species of tits, tree-creepers, robins, a pied flycatcher and... the surprise of the day.

 

This little cryptic bird of the woodpecker family owes its name to the habit of twisting his neck almost like a snake. It can be sighted on the ground (due to its preference for ants) or on tree branches where its mimetic plumage makes it quite difficult to detect.

 

- Wryneck (Jynx torquilla)

- Lisbon - Portugal (11-10-2017)

10
Out17

Close-up

Quando tentamos fotografar uma ave, há sempre a tendência de querer chegar o mais próximo possível. No entanto as estratégias utilizadas variam de acordo com os objectivos, a experiência, a perícia, a paciência e a consciência de cada um.

Pessoalmente, não me agradam os métodos que desvirtuam o comportamento habitual das aves, nem as tentativas desregradas de aproximação a aves em nidificação. Já as longas esperas no seu meio natural, a arte na utilização de camuflagens, a perícia na escolha do local, a paciência de predador aguardando aquele momento em que a ave, confiante, vem até nós... isso tem valor. Capturar momentos únicos causando pouco ou nenhum impacto na vida das aves é, para mim, a verdadeira definição de Fotografia de Natureza e Vida Selvagem.

No entanto, às vezes um simples passeio pode ser suficiente para conseguir uma boa aproximação... todos já encontrámos aquela ave mais inexperiente, mais distraída ou apenas mais tolerante que nos permitiu uma foto "tipo passe" da qual não estávamos de todo à espera. Esta minúscula ave, confesso, deixou-me com um sorriso no rosto.


- Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)
- Parque das Nações - Lisboa (23-08-2016)

 

Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)

 

[EN]

Close-up


When we try to shoot a bird, there is always the tendency to get as close as possible. However the strategies used vary according to the objectives, experience, expertise, patience and awareness of each one.

Personally I do not like those methods that distort the normal behavior of birds or the disorderly attempts to approach nesting birds. However the long waits in their natural surroundings, the art in the use of camuflage, the expertise in the site selection, the predator patience waiting for that moment when the bird, confident, come to us... oh yes. To capture unique moments causing little or no impact on bird life is, for me, the true definition of Wildlife and Nature Photography.

But sometimes a simple walk can be enough to get a good approximation... everyone has found that one inexperienced, more distracted or just more tolerant bird that allowed a "passport photo" wich we were not expecting at all.

This one, I must admit, caused a big smile on my face.

 

- Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis)

- Lisboa - Portugal (23-08-2016)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D