Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

27
Set17

Testemunho de uma vida ephemera

A natureza oferece-nos constantes lições de adaptação, perseverança e superação... mas também nos presenteia com exemplos de delicadeza e fragilidade.

 

Este pequeno animal pertencente à ordem Ephemeroptera e é o único insecto que, passando por uma metamorfose incompleta, apresenta um estágio intermédio (subimago) de duração raramente superior a 24h, em que - apesar de ainda imaturo sexualmente - possui asas perfeitamente funcionais.

 

Ao contrário da sua fase larvar (ninfa) que pode durar vários anos, os adultos (imago) vivem vidas extremamente curtas, variando entre 5 minutos e um par de dias (conforme a espécie a que pertençam) e nunca se alimentarão, pois apenas dispõem de bocas vestigiais. O seu único objectivo é a reprodução.

 

Esta frágil criatura "decidiu" passar uma boa parte da sua vida adulta na porta do meu carro, permitindo-me um vislumbre da sua delicada beleza e, despertando em mim a natureza filosófica do ser humano, proporcionou-me a contemplação da sua (e da minha própria) efemeridade.

 

- Efémera (Ephemera glaucops)

- Barragem de Morgavel - Sines (23-09-2017)

 

Efémera (Ephemera glaucops)

 

[EN]

Testimony of an ephemeral life

 

Nature offers us constant lessons of adaptation, perseverance and overcoming. But it also presents us with examples of delicacy and fragility.

 

This small animal belongs to the order Ephemeroptera and is the only insect that undergoes an incomplete metamorphosis, thus presenting an intermediate stage (subimago) rarely lasting more than 24 hours, in which - although still sexually immature - it has perfectly functional wings.

 

Unlike their larval phase (nymph) that can last for several years, adults (imago) live extremely short lives ranging from 5 minutes to a couple of days (depending on the species) and will never feed, as they have only vestigial (unusable) mouthparts. Its sole purpose is reproduction.

 

This fragile creature "decided" to spend a good part of his adult life on the door of my car, allowing me a glimpse of its delicate beauty and, awakening in me the philosophical nature of the human being, provided me with the contemplation of his (and my own) ephemerality.

 

- Mayfly (Ephemera glaucops)

- Sines - Portugal (23-09-2017)

25
Set17

"A menina dança?"

A dança é uma das mais importantes e antigas formas de expressão artística da humanidade. Através de movimento dos nossos corpos conseguimos expressar dor, alegria, medo, sensualidade, altivez... existem danças cerimoniais, competitivas, desportivas, lúdicas, variando consoante a cultura dos povos. É, no entanto, desconhecida a sua origem, sabendo-se apenas que é pelo menos tão antiga quanto a história. Como terá surgido?

Terá a arte, uma vez mais, imitado a natureza? É sabido que as suas formas, os seus sons, cores, cheiros e movimentos sempre inspiraram o Homem. Mas os animais não dançam, pois não? Bem, talvez dependa um pouco do conceito de cada um...

A espectacular parada nupcial da Águia-calva é um tango a dois nos céus, carregado de emoção e drama? O espectáculo proporcionado pelos Flamingos dos Andes é o equivalente às nossas coreografias de discoteca? A vistosa exibição de corte do macho de Abetarda terá um paralelo no bêbado lá da aldeia, que dança apaixonadamente com a "mini" na mão? Farão os Albatroses competições de hip-hop? E o Pavão dançará a "Senbu", qual gueixa agitando o seu leque em honra à deusa Amaterasu?

Como sempre, tenho mais perguntas que respostas... mas como impedir que a mente divague, face a uma imagem como esta, em que que a ave parece claramente dizer: "A menina dança?"

- Íbis-preta (Plegadis falcinellus)
- Lezíria Grande - VFX (10-12-2016)

 

Íbis-preta (Plegadis falcinellus)

 

[EN]

"Miss, do you dance?"

Dance is one of humanity's most important and ancient forms of artistic expression. Through the movement of our bodies we can express pain, joy, fear, sensuality, haughtiness... there are ceremonial, competitive, sporting, playful dances, varying according to the culture of the people. However, Its origin is unknown, knowing only that it is at least as old as history.

Has art, once again, imitated nature? It is well known that nature forms, sounds, colors, smells and movements have always inspired mankind. But the animals do not dance, do they? Well, maybe it depends a little on the concept...

Is the spectacular bridal parade of the bald eagle a tango in the skies, loaded with emotion and drama? Is the show provided by the Andean Flamingos the equivalent of our disco choreographies? Do the mating exibihition of the male Bustard have a parallel in the drunk dude, who dances passionately alone with a beer in his hand? Do the Albatrosses compete in hip-hop? And the Peacock, will he dance the "Senbu" just like a geisha waving his fan in honor of the goddess Amaterasu?

As always, I have more questions than answers... but how to prevent the mind from wandering in the face of an image like this, in which the bird clearly seems to say: "Miss, do you dance?"

 

- Íbis-preta (Plegadis falcinellus)

- Vila Franca de Xira - Portugal (10-12-2016)

19
Set17

1º Workshop de Iniciação à Observação de Aves do Projecto VEM

O recém-criado Projecto VEM (Valorização dos Ecossistemas do Montijo) organizou no pretérito sábado dia 16/09/2017 o seu primeiro Workshop de Iniciação  à Observação de Aves e tiveram a amabilidade (e a falta de bom senso) de me convidar para ser o formador/guia. 

 

Foto de Grupo por Eduardo Martins

 

 Sendo esta a minha primeira aventura como "formador", diligenciei de forma a não aborrecer em demasia as pobres almas que tiveram a coragem de comparecer. Após uma pequena apresentação/conversa sobre aves, ecossistemas e natureza e motivados por um "coffee break" à maneira, dirigimo-nos até ao ponto do sapal do Montijo onde vai em breve nascer o 1º observatório de aves da região e tivémos a boa fortuna de dar logo de caras com uma águia-pesqueira (Pandion haliaetus). No entanto não há sorte que se sobreponha à ditadura das marés e não lográmos observar tantas aves como eu esperava... fica para a próxima vez. Ainda assim, segundo o feedback obtido, o saldo final parece ser bastante positivo. Para a próxima faremos ainda melhor!

 

VEM

 

Muito brigado a todos os que participaram.  

 

 

 

 

18
Set17

O maravilhoso mundo das aves

Geralmente, o "comum dos mortais" que nunca se aproximou de um estuário, nunca olhou com atenção para as rochas numa praia, nunca observou atentamente um parque urbano ou nunca teve qualquer interesse por aves, tende a julgar que a avifauna portuguesa se resume a gaivotas, pardais, melros, pombos-fatelas e pouco mais. Tais pessoas nem imaginam o quão longe estão da realidade. Segundo o avesdeportugal.info, "em Portugal Continental já foram registadas 439 espécies de aves em estado selvagem, às quais se podem somar 13 outras espécies sob as quais subsistem dúvidas acerca da sua origem".

 

Ao entrarem pela primeira vez neste mundo, estes "muggles" ornitológicos rapidamente se deparam com a imponência das rapinas, a variedade dos passeriformes, a graciosidade das garças, a "lata" das gaivotas, a simpatia" dos patos ou o colorido dos guarda-rios e abelharucos... depois descobrem aquelas aves especiais que, por serem raras ou de difícil observação, atraem todas as atenções quando resolvem mostrar-se. De repente abre-se todo um mundo novo de vida, cores, sons e movimento.

 

Para uns, é a primeira vez que observam a miríade de aves nos céus das lezírias. Para outros, uma rapina a capturar a sua presa ali mesmo à frente dos seus olhos, ou até a primeira raridade que encontram... certo é que é impossível não existir pelo menos um momento de deslumbre, uma imagem que os deixa literalmente de boca aberta, incrédulos.

 

- Gaivota-prateada (Larus argentatus)

- Trafaria - Almada (19-11-2016)

 

Gaivota-prateada (Larus argentatus)

[EN]

The wonderful world of birds...

Generally, the "common mortal" who never approached an estuary, never looked closely to the rocks at the beach, never looked closely at an urban park or never had any interest in birds tends to judge that the Portuguese avifauna is reduced to seagulls, sparrows, blackbirds, feral pigeons and little else. Such people can not imagine how far they are from reality. According to the portal avesdeportugal.info, "439 species of birds in the wild have been registered in mainland Portugal".

When entering this world for the first time, these ornithological "muggles" are quickly confronted with the magnificence of the birds of prey, the variety of the passerines, the gracefulness of the herons, the "shameless" seagulls, the "friendliness" of the ducks or the colorful of the kingfishers and bee-eaters... then discover those special birds that, because they are rare or difficult to observe, attract all attention when they decide to show themselves. All of a sudden a whole new world of life, colors, sounds and movement.

For some, it is the first time that they observe the myriad birds in the heavens of the wetlands. For others, a bird of prey catching their prey right in front of their eyes or even the first rare bird they find... one thing is certain: it is impossible not to have at least one moment of dazzle, an image that literally leaves them with their mouth open, flabbergasted...

 

- Herring Gull (Larus argentatus)

- Trafaria - Portugal (19-11-2016)

16
Set17

Impactos e Interacções - Má Vizinhança

O Homem reformula o meio de acordo com as suas necessidades e com isso força os restantes animais a uma deslocalização ou nalguns casos, a uma adaptação a esse novo ambiente.

Segundo o avesdeportugal.info, o alcaravão é considerado uma ave "misteriosa e difícil de observar". De facto, com a sua plumagem críptica e os seus hábitos crepusculares e furtivos, raramente se deixa aproximar sem que entre em fuga ou "desapareça" na vegetação circundante. É apenas lógico considerar-se que um animal com tais características frequente exclusivamente zonas remotas, despidas de gente e da sua influência... mas a natureza não se deixa guiar pela lógica humana e, na sua fascinante adaptabilidade, apresenta-nos destas surpresas.

Neste dia, por volta das 8 da manhã, num lote vazio no meio de casas, oficinas, quintais e hortas, 56 olhos reptílicos perscrutavam as redondezas, vigilantes mas ainda assim tolerantes aos sons e às movimentações da população que despertava ao seu redor.

Não ouso tentar adivinhar o porquê da escolha do local, mas divirto-me a imaginar o que pensarão as pessoas nas casas vizinhas, ao ouvir os seus arrepiantes "lamentos" a ecoar pela noite... é assim que algumas lendas são criadas. 

- Alcaravão (Burhinus oedicnemus) 
- Vila Nova de Milfontes - Odemira (22-01-2017)

 

Alcaravão (Burhinus oedicnemus)

 

[EN]

Impacts and Interactions - Bad Neighborhood

Man reshapes the environment according to his needs and thereby forces the remaining animals into a relocation or, in some cases, an adaptation to this new environment.

The Stone Curlew (or Thick-knee) is considered to be a "mysterious and difficult to observe" bird. In fact, with its cryptic plumage and its crepuscular and furtive habits, it rarelly allows us to approach without fleeing or "disappearing" in the surrounding vegetation. It is only logical to consider that an animal with such characteristics inhabits only remote areas, stripped of people and their influence... but nature is not guided by human logic and in its fascinating adaptability, sometimes presents us with these kind of surprises.

On this day, at about 8 o'clock in the morning, in an empty lot in the midst of houses, workshops, yards and vegetable gardens, 56 glittering eyes peered around, vigilant but still tolerant of the sounds and movements of the surrounding awakening population.

I do not dare try to guess why this place was chosen, but I am delighted to imagine what people will think in the neighboring houses, hearing their chilling "wailing" callings echoing through the night... that is how some legends are created.

 

- Eurasian Thick-knee (Burhinus oedicnemus)

- Vila Nova de Milfontes - Portugal (22-01-2017)

15
Set17

"Vou pro sol da Caparica"

Finda a época balnear, os mamíferos começam paulatinamente a dar lugar às aves nas praias da Caparica.

Desaparecem as lontras esticadas ao sol desde manhã até à noite, reduz-se a quantidade de lixo espalhado no areal, vai-se o barulho dos gritos em "francês aportuguesado"... permanecem os surfistas, um ou outro "runner" e os "passeadores de canídeos".

Aparentemente sem se deixarem incomodar por estes poucos bipedes "não-plumados", aos poucos vão surgindo os Calidris alba, as Arenaria interpres, o ocasional Calidris alpina ou até o vistoso Haematopus ostralegus, a descansar um pouco antes de seguir viagem. Os Charadrius alexandrinus, que nunca abandonaram as praias podem voltar a mostrar-se sem receios e a eles juntam-se os Charadrius hiaticula e um ou outro Actitis hypoleucos. Não é impossível ver por ali Numenius phaeopus e até os Calidris maritima parecem ter tomado o gosto às praias da margem sul. Dá-se também o regresso das Larus fuscus, o aparecimento regular de algumas Larus marinus e até uma Larus argentatus a dar um arzinho da sua graça. 

Estas, entre outras aves mais regulares ou mais acidentais, vão compondo a avifauna da frente marítima de Almada e vão fazendo o regalo dos observadores da região (e de outros que por cá apareçam). A vida regressou à Costa.

- Borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula)
- Almada (10-10-2016)

PS: esta publicação não pretende representar de modo algum a linha temporal pela qual as aves vão surgindo nas praias. As espécies referidas são mencionadas de forma aleatória.
PS2: sim, eu sei que na verdade a vida nunca abandonou a Costa. Foi só para dar um toque dramático.

 

Borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula)

 

[EN]

After the bathing season, mammals gradually begin to give way to birds on the beaches of Caparica.

No more "otters" stretched in the sun from dusk till dawn, the amount of garbage scattered on the beach is reduced, the noise of the shouts is gone... now there are only the surfers, one or two runners and the " canine walkers ".

Apparently without being bothered by these few "non-plumed" bipeds, the Calidris alba emerge, as well the Arenaria interpres, the occasional Calidris alpina or even the garish Haematopus ostralegus. The Charadrius alexandrinus, which never left the beaches can return to show themselves without fear and joing them are the Charadrius hiaticula and a few Actitis hypoleucos. It is not impossible to see Numenius phaeopus here, and even the Calidris maritima seem to have taken to the beaches on the southern shore of the Tagus. There is also the return of the Larus fuscus, the regular appearance of some Larus marinus and even an occasional Larus argentatus.

These, among other more regular or more accidental birds, are composing the avifauna of the sea front of Almada. Life returned to the coast.

 

- Common Ringed Plover (Charadrius hiaticula)

- Almada - Portugal (10-10-2016)

06
Set17

Os Fenótipos e a Etologia - Patas e Garras

As patas são outra parte da morfologia das aves que varia bastante de acordo com a sua fenologia. Enquanto que as aves limícolas tendem a ser pernaltas para poderem deslocar-se nas zonas entre-marés, os pequenos passarinhos têm patinhas finas e delicadas apropriadas para se agarrarem aos pastos e ramos. Já as aquáticas possuem membranas inter-digitais, ao passo que as trepadoras apresentam os dedos dispostos em pares com unhas finas e afiadas. Por sua vez, as rapinas rapinas estão armadas com garras não menos afiadas mas bem mais fortes, para poderem segurar as suas presas.

 

Uma águia "surfando" um enorme peixe é uma das visões mais espectaculares que podemos ter nos nossos rios, estuários ou barragens e demonstra que esta rapina não foge à regra, apresentando garras especialmente fortes e recurvadas, especializadas na captura de peixes vivos.

 

Não há realmente engenharia melhor do que a da velha mãe natureza.

 

- Águia-pesqueira (Pandion haliaetus)
- Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena - Sesimbra (10-09-2016)

 

Águia-pesqueira (Pandion haliaetus)

 

 [EN]

Phenotypes and Ethology - Paws and Claws

 

The paws are another part of the morphology of bird that varies greatly according to its phenology. Waders tend to have long legs to be able to move in intertidal areas whereas small birds have thin and delicate paws appropriate to cling to pasture and branches. Aquatic birds have inter-digital membranes while climbers have the fingers arranged in pairs with thin, sharp nails. Birds of prey are armed with no less sharp but much stronger claws, in order to hold their preys.

 

An eagle "surfing" a huge fish is one of the most spectacular views that we have in our rivers, estuaries and dams and it shows that this eagle is no exception, with especially strong curved claws, specialized in capturing live fish.

 

There is no better engineer than the old Mother Nature.

 

- Osprey (Pandion haliaetus)

- Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena, Sesimbra - Portugal (10-09-2016)

04
Set17

As terríveis hordas invasoras de passarinhos amarelos

De origem africana, estas exuberantes aves começaram a estabelecer-se no nosso país no final da década de 80 e desde então têm aumentado em número e em área de distribuição. Para o incauto observador iniciante, encontrar um destes pássaros será certamente um motivo de regozijo, devido à sua beleza. No entanto, para muitos estas são vis criatura escapadas de cativeiro cuja existência põe em causa a sobrevivência das espécies autóctones.

 

Tecelão-de-cabeça-preta (Ploceus melanocephalus)

 

- Tecelão-de-cabeça-preta (Ploceus melanocephalus)

- Paúl do Boquilobo (02-09-2017)

 

Será que a presença destas aves exóticas implica necessariamente um declínio das nossas? Ou poderão coexistir e prosperar em conjunto? Alguns estudos indicam que estes bichos podem estar directamente relacionadas com o declínio da população de Ecrevedeira-dos-caniços (Emberiza schoeniclus), mas nada ainda foi comprovado. No entanto, o Bico-de-lacre (Estrilda astrild) há muito que se estabeleceu no nosso país sem que existam indícios de impactos negativos... mais estudos são necessários para que se entendam a fundo as relações entre estes pequenos invasores e os nossos ecossistemas.

 

Bispo-de-coroa-amarela (Euplectes afer)

 

- Bispo-de-coroa-amarela (Euplectes afer)

- Barroca d'Alva (09-08-2016)

 

[EN]

The terrible invading hordes of little yellow birds

Of african origin, these exuberant birds began to settle in Portugal in the late 80's and since then have increased in number and distribution area. For the unwary novice observer, finding one of these birds will certainly be a reason for rejoicing because of its beauty. However, for many those are vile captivity escaped creatures whose existence jeopardizes the survival of native species.

Does the presence of these exotic birds necessarily implies a decline of the native ones? Or can they coexist and thrive together? Some studies indicate that these animals may be directly related to the decline of the Reed Bunting (Emberiza schoeniclus) population, but nothing has been proven. However, the Waxbill (Estrilda astrild) has long established itself in Portugal without any evidence of negative impacts... further studies are needed to thoroughly understand the relationships between these small invaders and the portuguese ecosystems.

 

- Black-headed Weaver (Ploceus melanocephalus)

- Paúl do Boquilobo - Portugal (02-09-2017)

&

- Yellow-crowned Bishop (Euplectes afer)

- Barroca d'Alva - Portugal (09-08-2016)

01
Set17

Os Fenótipos e a Etologia - Asas

Serão as asas de um pardal semelhantes às de uma avestruz? E as de um abutre terão a mesma função das de um colibri?

 

Os membros anteriores das aves representam uma das mais fantásticas adaptações morfológicas do mundo natural, ainda assim nem todas as espécies os utilizam da mesma forma... a especiação levou a que surgissem alterações de acordo com o uso específico que cada espécie lhes dá (ou foi o uso que levou à especiação?).

 

As asas das grandes planadoras desenvolveram-se de forma a facilitar a captação das correntes térmicas, os pinguins não têm a capacidade de voo, mas utilizam-nas para nadar, já os guarda-rios com o seu voo "frenético" conseguem utilizá-las de forma a mergulhar e rapidamente manobrar para voltarem à superfície.

 

Este falcão é o animal mais rápido do mundo. Atinge velocidades que rondam os 300 km/h, em parte graças às suas asas longas e ponteagudas. Vê-lo a caçar é um privilégio e presenciar uma cena de caça a dois em que o casal manobrava na tentativa (bem sucedida) de capturar um andorinhão, foi dos melhores momentos "Nat Geo" que já vivi.

 

- Falcão-peregrino (Falco peregrinus)

- Almada (12-05-2016)

 

Falcão-peregrino (Falco peregrinus)

 

[EN]

Phenotypes and Ethology - Wings

Are the wings of a sparrow similar to the wings of an ostrich? And the wings of a vulture will have the same function than the ones of a hummingbird?

The forelimbs of birds are one of the most fantastic morphological adaptations of the natural world, yet not all species use them the same way... speciation led to arise changes according to the specific use that each species gives them (or was that use who led to speciation?). 

The wings of large soaring birds were developed to facilitate the capture of thermals, penguins do not have the flight capacity but instead use them for swimming while the kingfisher with its "frantic" flight have the capacity to dive and quickly maneuver to return to the surface.

This falcon is the fastest animal in the world. It reaches speeds around 300km/h in part thanks to its long and pointy wings. To see him hunting is a privilege and to witness a hunting scene where the couple was maneuvering in an (successful) attempt to catch a swift was one of the best "Nat Geo moments" of my life.

 

- Peregrine Falcon (Falco peregrinus)

- Almada - Portugal (12-05-2016)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts destacados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Últimas Observações