Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

18
Out18

A vizinha das pernas longas

Muito presente no imaginário popular (considerada até responsável pelos "descuidos" de alguns casalinhos), longe vão os tempos em que esta ave sofreu um forte declínio populacional na Península Ibérica. Hoje a recuperação da espécie é notória e cada vez se torna mais fácil observá-la em plena alimentação, seja nos nos campos onde caçam pequenos animais ou nos aterros sanitários enquanto buscam comida no meio do nosso lixo.

 

Facilmente as observamos também nos postes que são o seu local de eleição para a nidificação, inclusivamente nas imediações das nossas casas. Nalgumas zonas do país, formam autênticos condomínios com dezenas de ninhos. "Vizinhas" que não passam despercebidas a ninguém... 

Cegonha-branca (Ciconia ciconia)Cegonha-branca (Ciconia ciconia) Cabo Sardão (31-03-2018)

 

No baixo alentejo, as populações costeiras destas aves constroem os seus ninhos nas falésias viradas ao mar, comportamento que aparentemente é único no mundo.

Cegonha-branca (Ciconia ciconia)Cegonha-branca (Ciconia ciconia) Cabo Sardão (13-07-2017)

 

Uns quilómetros mais para oriente, é possível vê-las à caça nas quintas e quintais adjacentes às casas, quase indiferente às actividades humanas em redor.

Cegonha-branca (Ciconia ciconia)Cegonha-branca (Ciconia ciconia) Cercal do Alentejo (21-04-2016)

 

Já nas lezírias de Vila Franca de Xira podemos encontrar bandos de centenas destas enormes aves nos arrozais, em perfeita cinergia com as actividades agrícolas. Os agricultores certamente agradecem que haja quem controle a população dos exóticos lagostins-vermelhos que por ali proliferam.

Cegonha-branca (Ciconia ciconia)Cegonha-branca (Ciconia ciconia) Lezíria grande - Vila Franca de Xira (05-11-2017)

11
Out18

Os Fenótipos e a Etologia - Penas

Preciosas auxiliares para o voo, a presença destas estruturas é uma das características distintivas da Classe Aves. No entanto, as penas podem ter uma série de outras funções tais como o isolamento térmico, a impermeabilização e a camuflagem. São também muitas vezes utilizadas como acolchoamento para os ninhos e até como objecto de atracção sexual. O número e tipo de penas que um animal apresenta depende em grande parte da sua etologia e habitat.

 

Esta bela ave, devido ao seu modo de alimentação, desenvolveu uma plumagem que, além de ser um regalo para a vista, permite mantê-la seca, quente e aerodinâmica mesmo ao mergulhar nas águas onde captura as suas presas.

Guarda-rios (Alcedo atthis)Guarda-rios (Alcedo atthis Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena - Sesimbra (26-09-2020)

 

Já no caso de algumas aves estepárias como o alcaravão e o sisão, as penas desenvolveram-se no sentido de lhes garantir uma boa camuflagem contra os predadores.

Sisão (Tetrax tetrax)Sisão (Tetrax tetrax) Vila Franca de Xira (30-09-2020)

 

As suas cores e padrões mimetizam os habitats que frequentam e permitem-lhes passar despercebidos até aos olhos dos observadores mais atentos.

Alcaravão (Burhinus oedicnemus)Alcaravão (Burhinus oedicnemusVila Nova de Milfontes (22-01-2017)

 

08
Out18

A sua identificação, por favor!

No que toca a descobrir a identidade de uma ave, há dois tipos básicos de pessoas: aqueles que pesquisam, estudam, procuram e chegam a uma conclusão (correcta ou não) e aqueles que entregam a alguém essa responsabilidade, preferindo aguardar que a "papinha" lhes seja feita.

No entanto, o processo de pesquisa é essencial para se aprender e crescer como observador (ou fotógrafo de natureza). O conceito até é relativamente simples: com o auxílio de um bom guia de campo, procurar o conjunto de características físicas visíveis que definem aquela ave como uma espécie. Se necessário, há que tentar enquadrar o local e data em que o animal foi observado, ter em consideração o seu comportamento e até as suas vocalizações.

Pardal (Passer domesticus)Pardal (Passer domesticus) Cercal do Alentejo (22-01-2016)

 

É óbvio que, na práctica, as coisas não são assim tão lineares. Há bichos muito similares e há características que não são óbvias aos olhos de qualquer um... aí sim deve ser solicitado auxílio aos mais experientes.

Não devemos temer o erro, mas sim encará-lo como algo positivo e como parte da nossa evolução. Ninguém sabe tudo... mas devemos tentar, pois nada ultrapassa o gozo de conseguir superar uma dificuldade pelos nossos próprios meios.

Pardal-espanhol (Passer hispaniolensis)Pardal-espanhol (Passer hispaniolensis) IBA Planícies de Évora (09-05-2016)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub