Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

19
Set19

Livros de Bichos - Guias de Campo

Por várias vezes fui incitado a iniciar um blogue e há cerca de dois anos atrás decidi fazer a vontade a quem o sugeriu.

Depois de uma experiência pouco sucedida no blogger, uma amiga com mais experiência nestas andanças recomendou-me o SAPO, explicou-me o funcionamento básico e, assim que o bicho do mato ficou online, teve a simpatia de o "anunciar" à blogosfera no seu Ler por aí, insinuando que um dia talvez também eu começasse a falar de livros. Bem, hoje vou fazer-lhe a vontade (à minha maneira, obviamente).  

 

Para quem gosta de observar a natureza mas quer ir mais além na aquisição de conhecimentos, não basta passar muitas horas no campo... para compreender verdadeiramente aquilo que vemos, é preciso estudar um pouco. Felizmente, nos dias de hoje existem no mercado guias de campo que ajudam a identificar as espécies dos mais diversos grupos, em vários formatos e línguas. Existem também atlas com informação bio-geográfica, bem como livros que compilam as mais variadas informações sobre os animais e os seus comportamentos.

Sendo as aves o grupo de animais pelo qual nutro maior interesse, foi nele que fiz o maior investimento, tendo adquirido 3 guias de campo e vários outros livros ao longo dos últimos anos. Aos poucos, com a expansão do meu interesse aos répteis, invertebrados e mamíferos, tenho começado também a procurar literatura sobre estes grupos.

Hoje vou falar um pouco sobre alguns guias de campo que tenho na minha biblioteca.

 

Aves de Portugal, Helder Costa et al. - Lynx, 2ª edição (2018)

Dedicado exclusivamente ao território português, este é o guia que recomendo aos que desejam iniciar-se na observação de aves. Com tamanho e peso reduzidos, ilustrações esclarecedoras, descrições sumárias das características diagnosticantes de cada espécie e mapas de distribuição muito interessantes, este guia cumpre a sua função sem se tornar assustador aos olhos dos iniciados.

Este livro encontra-se à venda por cerca de 20€ na sede da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e no seu site: http://www.spea.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=620

Aves de Portugal

 

Guia de Aves, Lars Svenson et al. - Assírio e Alvim, 2ª edição (2012) 

Como o próprio nome indica, este é o guia de aves para Portugal e para a Europa. Com mais de 3500 ilustrações bastante precisas, ilustra as várias plumagens que podem ser apresentadas por cada espécie. As notas e descrições complementares chamam a atenção para os detalhes da fisionomia e/ou do comportamento que ajudam o observador a chegar a uma identificação.

Pode intimidar os iniciantes, devido ao grande volume de informação, mas é um guia imprescindível para aqueles que desejem embrenhar-se de forma mais séria no mundo da observação de aves.

A 3ª edição encontra-se à venda por 33€ na Wook, na Fnac ou em qualquer uma das grandes livrarias do país, podendo também ser adquirido nas instalações da SPEA ou no seu site:

 http://www.spea.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=566

Guia de Aves

 

Flight Identification of Raptors of Europe, North Africa and the Middle East, Dick Forsman - Bloomsbury Natural History (2016)

Dos meus guias de aves, este é o único que apresenta fotografias ao invés de ilustrações e é também o único em língua inglesa. Ainda assim, este fantástico livro do ornitólogo finlandês Dick Forsman é possivelmente o melhor guia para identificação de rapinas em voo. As excelentes fotografias mostram os diferentes detalhes de plumagem que podem ser apresentados pelas diversas espécies, bem como várias posições de voo em que podemos observar as aves no campo. Isto, em conjunto com as detalhadas descrições de pormenores fisionómicos e comportamentos, tornam este livro um "must have" para quem tenha um interesse específico em aves de rapina. 

À venda na wook por pouco mais de 50€, é um investimento que vale a pena fazer:

https://www.wook.pt/livro/raptors-of-the-western-palearctic-a-handbook-of-field-identification-2nd-edition-dick-forsman/15978358

Flight Identification of Raptors

 

Anfíbios e Répteis de Portugal, Ernestino Maravalhas & Albano Soares - Booky (2017)

Sem ser um guia de campo puro, mas apresentando alguns elementos de atlas, esta acaba por ser a publicação mais actualizada relativamente à taxonomia, bem como à distribuição deste grupo de animais no nosso país.

Pode ser adquirido por cerca de 20€ na loja virtual da Quercus ou na Naturfun:

http://loja.quercus.pt/pt/livraria/243-anfibios-e-repteis-de-portugal-.html

http://www.naturfun.pt/index.php?route=product/product&product_id=948

Anfíbios e Répteis de Portugal

 

Guia das Borboletas Comuns de Portugal Continental, Patrícia Garcia-Pereira et al. - Tagis (2019)

Este pequeno guia foi publicado no âmbito do projecto ABLE - Avaliar as Borboletas na Europa e compila as espécies de borboletas mais comuns no nosso país. Nele é explicado o projecto, bem como as metodologias utilizadas nas contagens. São também apresentadas, para cada espécie de borboletas, fotografias de asas abertas e em repouso, bem como de machos e fêmeas para os casos em que o dimorfismo sexual é relevante.

Ao que me é dado a conhecer, a publicação não se encontra à venda, mas o download pode ser efectuado gratuitamente no site da Tagis - Centro de Conservação das Borboletas de Portugal:

http://www.tagis.pt/uploads/4/7/9/5/47950987/gbc.pdf

Borboletas Comuns de Portugal Continental

 

No futuro, haverá certamente oportunidade para apresentar outros tipos de Livros de Bichos.

08
Set19

Será que o tamanho é realmente importante?

É verdade que dá nas vistas e que impressiona... provavelmente chega mais fundo e quem sabe até o ajude a conseguir comer o que os outros não conseguem. Será correcto, no entanto, afirmar que o sucesso evolutivo desta ave pode depender de ter um grande bico?

 

Maçarico-real (Numenius arquata)

- Maçarico-real (Numenius arquata)
- Amora, Seixal (15-08-2016)

 

O maçarico-real apresenta um enorme e arqueado bico, com o qual se alimenta nos lodos das zonas inter-marés nos estuários. Embora seja sabido que a sua dieta consiste essencialmente de invertebrados, esta ainda está por estudar no nosso país (Catry et al. 2010). No entanto, outra ave muito semelhante coexiste nestes habitats estuarinos. O maçarico-galego é ligeiramente mais pequeno, tem as patas um pouco mais curtas e um bico menor, com uma curvatura um pouco diferente. Se os habitats são os mesmos, se a alimentação é bastante semelhante, qual terá sido o processo de especiação que levou ao crescimento do bico do maçarico-real? Porque terão os fenótipos destas duas aves do mesmo género divergido ao longo do tempo?

 

Maçarico-galego (Numenius phaeopus)

- Maçarico-galego (Numenius phaeopus)
- Baixa da Banheira, Moita (24-04-2016)

 

Será que o facto do N. arquata possuir um bico tão comprido representa uma vantagem relativamente aos seus "primos" N. phaeopus de bico mais curto? Aparentemente não, pois estes últimos parecem ser bem mais comuns no nosso país...

 

Talvez a importância do tamanho das coisas seja uma concepção humana pouco relevante na natureza, onde o que conta é a eficiência no cumprimento da função e não a sua imponência visual. Por outro lado temos exemplos como as hastes dos cervídeos... casos onde claramente o tamanho é um argumento importante para o sucesso dos indivíduos. Talvez nem a mãe natureza tenha uma resposta cabal para a eterna questão: Será que o tamanho é realmente importante?

 

[EN]

Is size really important?

 

It's true that it catches the eye and impresses... probably goes deeper and maybe even helps him to eat what others can't. Is it correct, however, to say that the evolutionary success of this bird may depend on having a huge bill?

Picture1 :

- Eurasian Curlew (Numenius arquata)

- Seixal - Portugal (15-08-2016)


The eurasian curlew has a huge arched bill, with which it feeds on the intertidal muds at the estuaries. Although it is known that their diet consists essentially of invertebrates, there is lack of studies on this matter in Portugal (Catry et al. 2010). However, another very similar bird coexists in these estuarine habitats. The whimbrel is slightly smaller, has slightly shorter legs and a smaller bill with a slightly different curvature. If the habitats are the same, if the feeding is quite similar, what could have been the speciation process that led to the growth of the curlew's bill? Why did the phenotypes of these two birds of the same gender diverged over time?

Picture 2:

- Whimbrel (Numenius phaeopus)

- Moita - Portugal (24-04-2016)


Is the fact that N. arquata has such a long bill an advantage over its shorter-billed N. phaeopus "cousins"? Apparently not, because the latter seem to be much more common in Portugal...


Perhaps the importance of the size of things is a human conception of little relevance in nature, where what counts is the efficiency in the fulfillment of the function and not its visual grandiosity. On the other hand we have examples like the deer antlers... cases where clearly size is an important argument for individual success. Perhaps not even Mother Nature has a complete answer to the eternal question: Is size really important?

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Posts destacados