Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

11
Jul21

Os Fenótipos e a Etologia - Patas & Garras

As patas são umas das partes anatómicas das aves que mais variam a nível de tamanho e formato. Se os pequenos passarinhos têm pernas relativamente curtas e finas, bem como dedos também eles finos e delicados, apropriados para se agarrarem aos pastos e ramos, as perdizes e codornizes têm patas mais fortes, adequadas a caminhar no solo, por exemplo. Há uma grande variedade de tipos de patas, pois estas tendem a reflectir com bastante fiabilidade o tipo de interacção que cada ave tem com o seu meio.

A verdade é que, se encontrássemos um destes membros perdido por aí, conseguiríamos provavelmente, com algum grau de certeza, saber a que grupo de aves teria pertencido.

---

Uma águia a "surfar" um enorme peixe é uma das visões mais espectaculares que podemos ter nos nossos rios, estuários ou barragens. As patas destas rapinas especializadas na captura de peixes vivos possuem algumas das adaptações mais interessantes entre as aves, apresentando garras especialmente fortes e recurvadas, rugosidades com barbelas na pele e um dedo externo reversível, que lhe permite segurar os peixes com dois dedos para a frente e dois para trás. 

Águia-pesqueira (Pandion haliaetus)Águia-pesqueira (Pandion haliaetus) Setúbal (26-12-2020)

 

As aves que se deslocam em meio aquático, quer apenas caminhem dentro de água, quer sejam nadadoras de superfície ou até mergulhadoras, desenvolveram também elas incríveis adaptações nos seus membros posteriores.

A maioria das aves nadadoras têm as patas colocadas bem atrás, em relação ao seu centro de gravidade, e possuem membranas interdigitais ou bolbos carnudos nos dedos, que lhes proporcionam uma melhor impulsão no meio aquático. Em terra seca, estes bichos são por norma desajeitados e relativamente lentos.

Mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis)Mergulhão-pequeno (Tachybaptus ruficollis) Sesimbra (20-01-2018)

Já as garças e limícolas, que procuram alimento em lodos ou águas rasas, tendem a ter patas compridas, para que possam manter o corpo a seco, e dedos longos, que lhes conferem um maior equilíbrio.

Garça-verde (Butorides virescens)Garça-verde (Butorides virescens) Almada (09-11-2018)

O camão é um caso talvez ainda mais radical de adaptação. Para além das pernas altas, que usa para caminhar dentro de água, os seus dedos são extremamente compridos e permitem-lhe segurar as grandes raízes de caniço das quais se alimentam. Há quem diga que o seu nome deriva mesmo deste facto, sendo uma corruptela da expressão "c'a mão".

Caimão (Porphyrio porphyrio)Caimão (Porphyrio porphyrio) Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (27-02-2016)

 

Mas a água não é o único meio que requer uma anatomia adaptada. As aves trepadoras, como os pica-paus e as trepadeiras têm dedos curtos e unhas finas e afiadas que lhes permitem agarrar-se aos troncos das árvores (ou às rochas, no caso da trepadeira-dos-muros). Estas, em conjunto com algumas outras características anatómicas, permitem-lhes subir (ou descer, como é hábito dos passarinhos abaixo) troncos e postes em busca de alimento.

Trepadeira-azul (Sitta europaea)Trepadeira-azul (Sitta europaea) Cercal do Alentejo (14-04-2017)

 

"Armadas" com garras não menos afiadas e dedos mais poderosos, as patas das aves de rapina são sentença de morte para qualquer incauta presa que se deixe apanhar por elas. Com um forte aperto e as garras espetadas profundamente no seu corpo, o fim chega rápido e misericordioso (se é que tal termo pode ser aplicado à natureza).

Açor (Accipiter gentilis)Açor (Accipiter gentilis) Seixal (20-06-2021)

 

Como qualquer eng. mecânico poderia confirmar, ter a forma adequada à função é uma das melhores maneiras de garantir a eficiência dos recursos, minimizando ao máximo o desperdício de energia. Não há realmente engenharia melhor do que a da velha mãe natureza.

02
Abr21

Onde observar: "Vou p'ro sol da Caparica" - A vida nas praias de Almada

Nas praias da frente atlântica de Almada, todos os anos estivam milhares de turistas, vindos um pouco de todo mundo. Atraídos pelo clima ameno e pelos extensos areais do concelho, alguns são veraneantes regulares, outros visitam esta zona pela primeira (e possivelmente única) vez. Nos meses de verão, tudo o que vemos entre a Cova do Vapor e a Fonte da Telha é um mar de mamíferos estendidos na areia. Até as pequenas praias escondidas,  já banhadas pelas águas do rio Tejo, são invadidas por estes bípedes ávidos de sol e sal.

 

Borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus)Borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus) Praia do 2º Torrão (20-04-2017)

Finda a época balnear, os mamíferos começam paulatinamente a dar lugar às aves nas praias da Caparica. Desaparecem as lontras esticadas ao sol desde manhã até à noite, reduz-se a quantidade de lixo espalhado no areal, vai-se o barulho dos gritos em "francês aportuguesado", desaparecem as bolas de Berlim... permanecem os surfistas, um ou outro "runner", os passeadores de canídeos e o ocasional pescador.

Aparentemente sem se deixarem incomodar demasiado por estes poucos bípedes não-emplumados, aos poucos vão surgindo os borrelhos-de-coleira-interrompida, que nunca abandonaram as praias e que agora podem voltar a mostrar-se sem receios. A eles em breve se juntarão os simpáticos pilritos-das-praias, as rolas-do-mar, o ocasional pilrito-comum ou até uma tarambola, a descansar um pouco antes de seguir viagem. Nesta altura de transição, em que as aves estão em migração para sul, não é impossível ver por ali maçaricos-galegos, fuselos, borrelhos-grandes-de-coleira e uma ou outra seixoeira. Com sorte vislumbramos um vistoso ostraceiro ou mesmo os incomuns pilritos-escuros, que parecem ter tomado o gosto às praias da margem sul.

Ostraceiro (Haematopus ostralegus) Cova do Vapor (25-12-2020)Seixoeira (Calidris canutus) Cova do Vapor (07-09-2017)Pilrito-das-praias (Calidris alba) Cova do Vapor (28-01-2016)Pilrito-escuro (Calidris maritima) Cova do Vapor (28-01-2016)Rola-do-mar (Arenaria interpres) Cova do Vapor (25-11-2016)Borrelho-grande-de-coleira (Charadrius hiaticula) Cova do Vapor (10-10-2016)Fuselo (Limosa lapponica) Praia do 2º Torrão (08-09-2016)Perna-vermelha-comum (Tringa totanus) Praia do 2º Torrão (14-05-2016)Maçarico-galego (Numenius phaeopus) Praia do 2º Torrão (11-05-2016)Pilrito-comum (Calidris alpina) Cova do vapor (10-05-2016)
Tarambola-cinzenta (Pluvialis squatarola) Cova do Vapor (24-12-2020)Tarambola-dourada (Pluvialis apricaria) Cova do Vapor (14-10-2018)

 

A partir desta altura dá-se também o regresso das gaivotas-d'asa-escura, vão começando a aparecer os poucos gaivotões-reais que por ali invernam e, quem sabe, até podemos ver uma gaivota-prateada a dar um arzinho da sua graça. Várias outras espécies de gaivotas passam pelas praias de Almada, algumas bastante comuns, outras nem tanto assim. As aves pelágicas começam a surgir e quem sabe tenhamos o privilégio de ver um bando de negrolas (ou patos-pretos) em passagem, voando rente ao mar, ou até mesmo um alcatraz a pescar, deixando-se cair das alturas...

 

Gaivotão-real (Larus marinus)Gaivotão-real (Larus marinus) Fonte da Telha (23-11-2019)

Gaivota-de-cabeça-preta (Ichthyaetus melanocephalus) Cova do Vapor (03-10-2020)Gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) Trafaria (28-12-2019)Gaivotão-branco (Larus hyperboreus) Costa da Caparica (28-12-2019)Alcatraz (Morus bassanus) Cova do Vapor (02-11-2019)Gaivota-d'asa-escura (Larus fuscus) Fonte da Telha (25-10-2018)Gaivota-de-Audouin (Ichthyaetus audouinii) Cova do Vapor (07-09-2017)Corvo-marinho (Phalacrocorax carbo) Trafaria (28-01-2016)Gaivota-prateada (Larus argentatus) Trafaria (19-11-2016)
Negrola (Melanitta nigra) Cova do Vapor (19-11-2016)Garajau-comum (Sterna sandvicensis) Praia do 2º Torrão (09-05-2016)
 

Estas, entre outras aves invernantes, residentes ou de passagem, sejam elas regulares, mais acidentais ou até raras, vão compondo a avifauna da frente marítima de Almada e vão fazendo o regalo dos observadores da região (e de outros que por lá apareçam). 

Chasco-cinzento (Oenanthe oenanthe)Chasco-cinzento (Oenanthe oenanthe) Cova do Vapor (10-10-2016)

Estorninho-preto (Sturnus unicolor) Cova do Vapor (27-12-2020)Alvéola-branca (Motacilla alba) Cova do Vapor (07-11-2020)Guarda-rios (Alcedo atthis) Praia do 2º Torrão (16-08-2016)Gralha-preta (Corvus corone) Cova do vapor (19-07-2016)Falcão-peregrino (Falco peregrinus) Praia do 2º Torrão (12-05-2016)Peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus) Costa da Caparica (18-02-2016)

 

Menos sol, menos calor, menos pessoas, menos barulho, menos lixo e confusão... mais natureza. Agora sim, a vida regressou à Costa.

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub