Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

05
Mai20

Bichos do mato: Aranhas - pesadelos de oito patas

Os invertebrados são dos animais menos conhecidos do público em geral. Embora estejamos constantemente rodeados deles, o seu tamanho e os seus hábitos fazem com que tantas vezes nem reparemos na sua presença.

Tecedeira-de-cruz-cosmopolita (Araneus diadematus) Oliveira de Azeméis (14-09-2019) (2).JPG

Tecedeira-de-cruz-cosmopolita (Araneus diadematus) Oliveira de Azeméis (14-09-2019)

 

Quando os descobrimos por perto, a nossa reacção automática é de matá-los, ignorando os grandes serviços que nos prestam, seja como polinizadores (e.g. abelhas e moscas) ou como controladores de pragas (e.g. aranhas e joaninhas). Como infelizmente tememos aquilo que não conhecemos bem, os insectos e aranhas tendem a gerar em nós reacções de medo e repulsa. 

Aranha-lince (Oxyopes lineatus) Serra de S. Mamede (08-06-2019).JPG

Aranha-lince (Oxyopes lineatus) Serra de S. Mamede (08-06-2019)

 

Mas... as aranhas não são insectos? 

Não. Os insetos (classe Insecta) têm o corpo dividido em três partes: cabeça, tórax e abdómen. Possuem três pares de patas, apresentam um par de antenas e têm um desenvolvimento indireto. Já os aracnídeos (classe Arachnida) apresentam o corpo dividido em duas partes: abdómen e cefalotórax. Possuem quatro pares de patas, quelíceras, não apresentam antenas e podem ter um desenvolvimento direto ou indireto.

Aranha-de-funil (Eratigena sp.) Oliveira de Azeméis (13-09-2019).JPG

Aranha-lobo-radiada (Hogna radiata) Cercal (12-08-2019) (4).JPG

Aranha-de-funil (Eratigena sp.) Oliveira de Azeméis (13-09-2019)Aranha-lobo-radiada (Hogna radiata) Cercal do Alentejo (12-08-2019)

 

Como é que estas exímias predadoras caçam? Bem, existem variadas técnicas nas quais cada espécie se especializa. Algumas tecem teias extremamente resistentes e impregnadas de uma substância adesiva em locais estratégicos, aguardando que algum insecto lá caia. Assim que tal acontece, atacam de forma fulminante, injectando-lhe veneno e embrulhando-o em seda para ser depois consumido. Outras espécies perseguem activamente as suas presas, muitas vezes saltando para as capturar. Há também aquelas que fazem emboscadas escondidas em fendas, buracos ou até mesmo camufladas nas flores das quais os insectos se alimentam.

Aranha-vespa (Argiope bruennichi) Serra da Freita (14-09-2019) (3).JPG

Aranha-tigre-lobada (Argiope lobata) EILP (21-08-2019) (6).JPG

Aranha-vespa (Argiope bruennichi) Serra da Freita (14-09-2019) Aranha-tigre-lobada (Argiope lobata) Espaço Interpretativo da Lagoa Pequena (21-08-2019)

 

Após capturarem as suas presas, as aranhas expelem um fluido digestivo para cima das mesmas começando assim o processo de digestão ainda fora do seu organismo. Após triturarem os pequenos animais com as quelíceras, reabsorvem os fluidos libertados, juntamente com a "carne". Deste processo sobra apenas uma pequena bola de resíduos, contendo as partes da quitina que a aranha é incapaz de digerir. Algumas espécies, como as aranhas caranguejo, injectam os fluidos digestivos no interior corpo das suas presas que são dissolvidas por dentro e sugadas de forma a que apenas resta uma carapaça vazia, ainda com a forma original do insecto.

Aranha-Caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Santa Marta (18-04-2020) (8).JPG

Aranha-florícola-de-tubérculos (Thomisus onustus) Santa Marta (10-04-2020) (2).JPG

Aranha-caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Seixal (18-04-2020)Aranha-florícola-de-tubérculos (Thomisus onustus) Seixal (10-04-2020)

Aranha-Caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Parque Luso (18-03-2020) (8).JPG

Aranha-florícola-de-tubérculos (Thomisus onustus) Cercal (11-08-2019) (5) (1).JPG

Aranha-caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Seixal (18-03-2020) Aranha-florícola-de-tubérculos (Thomisus onustus) Cercal do Alentejo (11-08-2019) 

As suas oito patas, o seu abdómen proeminente, os seus olhos (a maioria das aranhas tem quatro pares de olhos), os seus hábitos e até a forma como se movem constroem um aspecto geral repulsivo aos nossos olhos. Ainda assim, se conseguirmos observá-las de perto, podemos constatar que têm uma beleza muito própria, com formatos exóticos, cores garridas e padrões muito diversos consoante as espécies (e até por vezes com bastante variação individual).

Aranha (Mangora acalypha) Santa Marta (24-04-2020) (3).JPG

Aranha (Anelosimus sp.) Parque Luso (15-03-2020) (3).JPG

Aranha (Mangora acalypha) Seixal (24-04-2020) Aranha (Anelosimus sp.) Seixal (15-03-2020)

Aranha-Caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Santiago do Cacém (09-08-2019) (2).JPG

Solífugo (Gluvia dorsalis) Tejo Int. - Segura (17-06-2017) (2).JPG

Aranha-caranguejo-de-Napoleão (Synema globosum) Santiago do Cacém (09-08-2019) Solífugo ou Aranha-camelo (Gluvia dorsalis) Segura, Idanha-a-nova (17-06-2017)

 

Enquanto espécie, temos evoluído no sentido de tentarmos viver em ambientes cada vez mais estéreis, sem a presença de outros seres ao nosso redor. Esta tentativa pseudo-divina de nos distanciarmos fisicamente dos restantes animais resulta bastas vezes em autênticas barbaridades... por medo irracional destruímos criaturas que nos são inofensivas e úteis. Acarinhem as vossas aranhas, bem como as osgas, cobras e outros bichos que vos assustam, pois muitas vezes são eles quem nos protege de ameaças bem mais reais...

12
Abr20

Bichos do mato: o Coelho-bravo

Este é o animal geralmente associado à presente época festiva. Segundo a mitologia alemã, a deusa da fertilidade Ostera devolveu à sua forma original um pássaro que havia transformado em coelho, para diversão de algumas crianças. Ao ver-se novamente na sua forma emplumada, a ave pôs alguns ovos coloridos à laia de agradecimento, dando origem à tradição do coelho e dos ovos da Páscoa. É uma das teorias...

 

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Santa Marta (22-03-2020) (5).JPG

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Corroios (22-03-2020)

 

Entretanto, por cá e sem qualquer ligação a deusas ou a ovos enfeitados, evoluía uma espécie que viria a ganhar importância-chave nos ecossistemas mediterrânicos: o coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus). Este pequeno e ágil herbívoro é presa preferencial de diversos predadores, entre eles o icónico lince-ibérico (Lynx pardinus), a "manhosa" raposa-vermelha (Vulpes vulpes) e a ameaçada águia-imperial-ibérica (Aquila adalberti).

 

Hoje em dia, apesar da preferência por habitats de orla, em terrenos arenosos com interligação entre culturas, prados e zonas de mato denso, não é incomum que os vejamos num qualquer parque urbano, a fugir ziguezagueando como se estivessem indecisos acerca de qual o melhor caminho a tomar.

As suas tocas de habitação são profundas com várias entradas e galerias entrecruzadas, ao passo que as suas tocas de reprodução - também elas profundas - se limitam a uma galeria simples que é abandonada quando as crias atingem as 3 semanas de idade.

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Pancas (21-01-2018) (3).JPG

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Herdade de Pancas (21-01-2018)

 

Devido aos seus hábitos mais crepusculares, a uma excelente visão, a uma audição apurada e a uma grande capacidade de reprodução, o coelho-bravo prosperou na Europa (principalmente P.I. e França) - chegando mesmo a ser extremamente abundante na Península Ibérica - até início dos anos 50, altura em que um médico francês resolveu introduzir ilegalmente um vírus importado da América do Sul, para eliminar os coelhos que danificavam as suas culturas. A mixomatose, doença causada por este vírus, espalhou-se rapidamente e foi arrasadora, chegando a causar a perda de populações inteiras. Em meados dos anos 80 e através de coelhos domésticos importados da Ásia, chegou à Europa a doença hemorrágica viral, que viria a dar mais uma forte machadada na sustentabilidade da espécie. Nos últimos anos o número de efectivos diminuiu cerca de 70%...

Neste momento decorrem estudos e delineiam-se estratégias para tentar garantir a sobrevivência desta importante peça para os nossos ecossistemas e para algumas economias locais.

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Parque da Paz (05-07-2020) (1).JPG

Coelho-Bravo (Oryctolagus cuniculus) Corroios (05-07-2020)

 

Hoje existem por cá também coelhos domésticos, criados para alimentação humana e coelhos exóticos, mantidos como animais de estimação. Uns são maiores, outros mais pequeninos, alguns têm olhos vermelhos, outros são mais felpudos, mais mansos, mais "fofinhos", mais bonitos... 

Pode parecer simples e não ter a beleza ou a exuberância de outros, mas só o Coelho-bravo é livre e indómito... só ele carrega o carisma de um verdadeiro bicho do mato.

20
Jun18

Bichos do mato: Cigarras - Uma vida a cantar

"A Cigarra e a Formiga" é umas das mais conhecidas fábulas de La Fontaine - embora na verdade a sua autoria seja atribuída ao escritor grego Esopo (620 a.C. - 564 a.C.) - e fala-nos da importância de, em época de abundância, continuarmos a trabalhar e a poupar os nossos recursos para termos como subsistir em tempos de dificuldades.

 

No conto, a cigarra passa o verão a cantar e a comer folhas verdes enquanto a formiga apenas trabalha e armazena comida... chegado o inverno, a cigarra passa mal e vê-se obrigada a recorrer à formiga para sobreviver.

Cigarra-comum (Cicada orni)Cigarra-comum (Cicada orni Parque Tejo - Lisboa (23-08-2016)

 

Nas nossas matas ou nos parques e jardins das nossas cidades, naquelas tardes tórridas de verão em que nenhuma brisa se sente e nenhum outro som se ouve, o estridente "canto" dos machos destes insectos eleva-se no ar - pode rondar os 100 decibéis e é gerado pela vibração de uma membrana no seu primeiro segmento abdominal - na tentativa de atrair uma fêmea para acasalar.

 

Aquele som vibrante e constante - até eventualmente irritante - leva-nos a pensar: "afinal a fábula tem uma razão de ser". Mas onde estão os bichos? O som que ouvimos parece não ter uma origem definida: olhamos, procuramos e... nada. Pois, estes insectos são extremamente crípticos, sendo bastante difícil localizá-los. E quando finalmente conseguimos ver um deles, supresa das surpresas! "Mas não deviam ser parecidos a gafanhotos?"

 

De facto não o são, o aspecto das cigarras mais facilmente faz lembrar uma enorme mosca, com os seus grandes olhos redondos e as suas asas transparentes. Sim, os ilustradores das histórias andaram a "enganar-nos" durante todo este tempo... 

Cigarra-de-José (Tettigettalna josei)Cigarra-de-José (Tettigettalna josei) Quinta de Marim - Olhão (23-05-2020)

 

Pelo menos os contos acertaram numa coisa: as cigarras passam o verão a cantar. E no resto do ano? Serão hóspedes das formigas tal como La Fontaine sugeriu? De todo.

 

A cigarra fêmea é atraida pela cantoria de uma macho, é fecundada, põe os seus ovos e morre. Depois da eclosão, as ninfas saídas desses ovos - estes artrópodes sofrem uma metamorfose incompleta (não passam pela fase de pupa) - caem ao chão onde se enterram e onde sobrevivem de 1 a 17 anos - consoante a espécie - alimentando-se da seiva retirada das raizes das plantas.

 

Chegado o pico do verão, emergem do subsolo e passam por uma transformação para o estágio adulto (ecdise). Durante umas semanas alimentam-se da seiva obtida pelos caules e folhas e os machos cantam sob o sol tórrido até que o ciclo se complete uma vez mais.

 

Eles de facto passam toda a sua vida adulta a cantar...

Timpanista-compositora (Tympanistalna gastrica) Timpanista-compositora (Tympanistalna gastrica) Cabo Espichel (28-05-2020)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub