Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

23
Nov21

2º Censo Ibérico de Águia-pesqueira Invernante

Em janeiro de 2022 irá ser realizado pela segunda vez um censo ibérico da população invernante de águias-pesqueiras. Iniciativa original do portal avesdeportugal.info, este será o quinto censo desta espécie a ser levado a cabo no nosso país.

2º Censo Ibérico de Águia-pesqueira invernante

Os locais a visitar compreendem as zonas húmidas costeiras (estuários, rias e lagoas), bem como as grandes albufeiras do interior. 

Pandion haliaetusÁguia-pesqueira (Pandion haliaetus) Lezíria Grande de Vila Franca de Xira (23-12-2017)

Para participar autonomamente é necessário apenas possuir um par de binóculos e saber identificar uma águia-pesqueira. Pessoas que não possuam um (ou ambos) destes requisitos e ainda assim desejem participar nesta acção de ciência-cidadã, serão (dentro da medida do possível) colocadas com um observador mais experiente que possa assegurar a contagem.

censo_pandion_2022.JPGRede provisória de pontos de observação no estuário do Tejo - jusante

Pela terceira vez vou estar a coordenar as contagens na área do estuário do Tejo jusante (entre Pancas e o Seixal) e, se desejarem participar nesta área, podem entrar em contacto comigo através da caixa de comentários ou do email disponível no meu perfil. Caso o pretendam fazer noutra zona do país, podem à mesma contactar-me (eu encaminho-vos para o respectivo coordenador regional), ou enviar um email directamente à coordenação nacional através do endereço geral@avesdeportugal.info.

Venham passar uma manhã no campo e contribuir um bocadinho para o conhecimento sobre esta incrível ave de rapina. 

11
Out20

Vamos contar periquitos?

CENSO NACIONAL DE PERIQUITO-DE-COLAR (Psittacula krameri)

 

"O periquito-de-colar ou periquito-rabijunco (Psittacula krameri) é uma espécie originária dos continentes asiático e africano, mas que ocorre atualmente em inúmeras cidades do continente europeu. Estas populações, com origem provável em fugas de cativeiro, encontraram alimento, refúgio e locais adequados para nidificar nas áreas verdes dos grandes centros urbanos. Esta espécie exótica possui algumas das características típicas das espécies invasoras (boa capacidade de adaptação, reprodução rápida, agressividade) e nalguns locais onde já está estabelecida pode mesmo afetar as espécies nativas, ao competir por alimento ou locais de nidificação. É uma espécie gregária e muito social, que nidifica em buracos de árvores e que usa de forma regular dormitórios comunais, que podem reunir desde algumas aves até muitas centenas de indivíduos. De forma relativamente previsível, as aves tendem a retornar ao seu dormitório ao final do dia. Assim, a contagem nos dormitórios é o método habitual de censo da espécie."

Periquito-de-colar (Psittacula krameri) Quinta das Conchas (01-05-2018) (8).JPG

Periquito-de-colar (Psittacula krameri) Quinta das Conchas - Lisboa (01-05-2018)

 

Como o conhecimento é o primeiro passo para a conservação, a SPEA vai realizar um censo destas aves, para que possamos ter a real noção do estado das suas populações e do risco a que estas possam estar a submeter as nossas espécies autóctones. 

Numa 1ª fase vamos tentar identificar os dormitórios destas aves (Out/Nov/Dez 2020) e na 2ª fase vamos proceder à contagem do número de indivíduos (Nov 2021). Todos aqueles que tenham interesse em colaborar são bem-vindos, bastando para isso que saibam identificar a espécie.

Periquito-de-colar (Psittacula krameri) Parque Bensaúde (27-01-2019) (2).JPG

Periquito-de-colar (Psittacula krameri) Parque Bensaúde - Lisboa (27-01-2019)

 

Vou ser coordenador regional voluntário para os concelhos de Almada e Seixal, portanto, caso queiram participar (em qualquer ponto do país) e tenham dúvidas de como o fazer, estejam à vontade para me questionar através da caixa de comentários ou por e-mail. Terei todo o gosto em esclarecer ou encaminhar as vossas questões.

Vamos contar periquitos?

27
Jan18

1º Censo Nacional de Garça-branca-grande

Na sequência do bem-sucedido Censo de Águia-pesqueira (2015, 2016 e 2017) organizado pelo portal Aves de Portugal, foi decidido levar a cabo o 1º Censo Nacional de Garça-branca-grande nos pretéritos dias 20 e 21 de Janeiro de 2018. Este projecto de ciência-cidadã resultou numa participação de 168 voluntários e na contabilização de 347 a 374 garças-brancas-grandes (Ardea alba), 691 a 778 colhereiros (Platalea leucorodia) e 19 a 21 cegonhas-pretas (Ciconia nigra).

 

Garça-branca-grande (Egretta alba) Águas-de-Moura (24-01-2016) (3).JPG

Garça-branca-grande (Ardea alba) Estuário do Sado (24-01-2016)

 

Segundo João Tomás e Gonçalo Elias (equipa organizadora), "o intervalo obtido aponta para um total de 347 a 374 garças-brancas-grandes no território nacional. Analisando a tabela e o mapa de resultados é possível perceber que a população invernante desta espécie se concentra sobretudo em áreas de arrozal, como o vale e a foz do Mondego, as lezírias do baixo Tejo e ainda o estuário do Sado. Não menos importantes são as zonas húmidas costeiras com algumas produção de arroz associada, como é o caso da Ria de Aveiro. Também as albufeiras e açudes dos distritos de Santarém, Évora, e Beja têm um peso importante na escolha desta espécie para passar os meses de Inverno. Por fim, um pequeno número de indivíduos distribui-se ao longo da faixa costeira dos distritos de Viana do Castelo, Porto, Leiria e Faro e ainda em albufeiras e açudes dos distritos do interior centro-norte, como são os casos da Guarda, Castelo Branco e Portalegre."

 

Na opinião da organização, "este censo foi um sucesso a todos os níveis: grande adesão de voluntários, elevado grau de cobertura do território nacional, excelente organização das equipas nos locais de maior dimensão, condições meteorológicas muito favoráveis e acima de tudo muitas garças-brancas-grandes."

 

A situação desta espécie como como ave invernante no nosso país, que era essencialmente desconhecida, ganhou nova luz e a sua evolução poderá agora ser avaliada com a realização de futuros censos.

 

Os resultados detalhados, quer por local visitado (página 1) quer por distrito (página 2) podem ser consultados aqui.

Pode ainda ser visualizado o mapa nacional com os locais visitados e respectivos totais de indivíduos contados, neste link.
 
As diferentes cores significam:
  • branco: 0 aves observadas;
  • verde: 1-4 aves observadas;
  • laranja: 5-9 aves observadas;
  • vermelho: 10-19 aves observadas;
  • vermelho escuro: 20 ou mais aves observadas.
 

Garça-branca-grande (Egretta alba) Ribeira das Enguias (21-01-2018).JPG

Garça-branca-grande (Ardea alba) Alcochete (21-01-2018)

 
Neste censo coube-me a responsabilidade e o prazer de coordenar a região do Estuário do Tejo - Margem Sul, tarefa que foi facilitada pelo excelente desempenho dos 12 voluntários que comigo prospectaram toda a zona do estuário (e vales adjacentes) desde o Seixal até Benavente, passando pela Lagoa de Albufeira e pelo Sesimbra Natura Park. A nossa equipa logrou observar 46 a 47 garças e 117 a 118 colhereiros, não tendo sido observada qualquer cegonha-preta.
 
 
[EN]
 1st Great Egret Portuguese Census
 
Following the successful Osprey Census (2015, 2016 and 2017) organized by the Aves de Portugal portal, it was decided to carry out the 1st Great Egret Portuguese Census in the past 20 and 21 January 2018. This citizen science project resulted in a participation of 168 volunteers and in the accounting of 347 to 374 Great Egrets (Ardea alba), 691 to 778 spoonbills (Platalea leucorodia) and 19 to 21 black storks (Ciconia nigra).
 
According to João Tomás and Gonçalo Elias (national coordinators), "there were counted a total of 347 to 374 Great White Egrets in Portuguese territory. Analyzing the table and the results map it is possible to notice that the wintering population of this species is mainly in areas of rice fields, such as the valley and the mouth of the Mondego, the low Tagus river basins and the Sado estuary. No less important are the coastal wetlands with some associated rice production, such as Ria de Aveiro. In addition, the reservoirs and dams of the districts of Santarém, Évora and Beja play an important role in this species choice of wintering grounds. Finally, a small number of individuals are distributed along the coastal strip of the districts of Viana do Castelo, Porto, Leiria and Faro and also in reservoirs and dams of the north-central interior districts, such as Guarda, Castelo Branco and Portalegre."

According to the organization, "this census was a success at all levels: great volunteers adhesion, high degree of coverage of the portuguese territory, excellent teams organization at the largest sites, very favorable weather conditions and above all many great egrets. "
 
The situation of this species as a wintering bird in Portugal, which was essentially unknown, has gained new light and its evolution can now be evaluated with future censuses.

Detailed results, either by site visited (page 1) or by district (page 2) can be found here.

The national map with the visited sites and their individuals numbers can also be consulted in this link.
 
The different colors mean:
  • white: 0 birds observed;
  • green: 1-4 birds observed;
  • orange: 5-9 birds observed;
  • red: 10-19 birds observed;
  • dark red: 20 or more birds observed.
 
In this census it was my responsibility and pleasure to coordinate the Tagus Estuary - South Bank, a task that was facilitated by the excellent performance of the 12 volunteers who with me prospected the entire area of the estuary (and adjacent valleys) from Seixal to Benavente, passing by the Lagoa de Albufeira and Sesimbra Natura Park. Our team managed to observe 46 to 47 great egrets and 117 to 118 spoonbills as no black stork was observed.
 
Pictures:
 
  • Great Egret (Ardea alba)
  • Estuário do Sado - Setúbal - Portugal (24-01-2016)
  • Great Egret (Ardea alba)
  • Alcochete - Portugal (21-01-2018)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub