Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

bicho do mato

Aqui fala-se de natureza, aves, bichos em geral e do que mais me passar pela cabeça

21
Ago22

A cidade vai ficar mais bonita...

Goste-se ou não das questões religiosas que lhe estão inerentes, é inegável que a Jornada Mundial da Juventude é um marco importante no calendário anual de eventos de qualquer país. Portugal não é excepção e, com o acolhimento em Lisboa desta jornada em 2023, começam a notar-se movimentações na cidade, tanto a nível político como logístico.

Uma das faces mais visíveis dessas movimentações é a zona entre o Parque Tejo e a foz do rio Trancão. O Aterro Sanitário de Beirolas está em obras e ali irá nascer mais um parque urbano. A cidade vai ficar mais bonita, mas... porque é que isso me deixa triste?

Após a descontaminação da área envolvente e do isolamento dos resíduos no seu interior, o aterro de Beirolas foi preenchido com terras adequadas ao desenvolvimento de vegetação e foi assim deixado. É sabido que a natureza prospera onde o Homem abandona... ora, protegido de presença humana por vedações, este terreno foi reclamado pela vegetação e ali encontraram protecção e alimento várias espécies de insectos, aves e pequenos mamíferos, entre outros bichos.

Perdiz-vermelha (Alectoris rufa)Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) Aterro sanitário de Beirolas (27-08-2020)

Este espaço onde agora vai nascer o novo jardim, foi berço de ninhadas de perdizes, fuinhas-dos-juncos e cartaxos. Foi protecção e alimento para patos, pardais, rolas, trigueirões, toutinegras-dos-valados, bicos-de-lacre, milheirinhas, pegas-rabudas, entre tantas outras espécies.

Andorinha-das-Chaminés (Hirundo rustica) (03-06-2022)Toutinegra-de-cabeça-preta (Curruca melanocephala) (03-06-2022)Milheirinha (Serinus serinus) (03-06-2022)Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis) (03-06-2022)Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) (09-05-2022)Fuinha-dos-juncos (Cisticola juncidis) (09-05-2022)Melro-preto (Turdus merula) (28-04-2022)Pato-real (Anas platyrhynchos) (28-04-2022)Trigueirão (Emberiza calandra) (27-04-2022)Cartaxo-comum (Saxicola rubicola) (13-03-2022)Perdiz-vermelha (juvenil) (Alectoris rufa) (29-07-2021)Petinha-dos-prados (Anthus pratensis) (02-12-2020)
Pega-rabuda (Pica pica) (05-08-2020)Cartaxo-comum (juvenil) (Saxicola rubicola) (13-06-2018)

Foi também terreno de caça, patrulhado por predadores em busca dos pequenos seres que ali se protegiam. Aves de rapina como a águia-d'asa-redonda, a águia-sapeira e o peneireiro eram presenças regulares e também as garças-reais facilmente podiam ser observadas por ali, à procura de répteis, ratos e invertebrados...

Garça-real (Ardea cinerea) (03-06-2022)Águia-sapeira (Circus aeruginosus) (09-05-2022)
Águia-sapeira (Circus aeruginosus) (09-05-2022)Águia-d'asa-redonda (Buteo buteo) (13-01-2021)

No fim do verão/início do outono, os migradores de passagem aproveitavam a abundância de alimento e a protecção das ervas altas e do viveiro de árvores abandonado, para ali retemperar as preciosas energias antes de prosseguirem viagem para África. 

Papa-amoras-comum (Sylvia communis) (29-08-2021)Picanço-barreteiro (Lanius senator) (02-08-2021)Papa-moscas-preto (Ficedula hypoleuca) (26-08-2020)Papa-moscas-cinzento (Muscicapa striata) (31-08-2016)

 

Hoje, reina o pó e o barulho das máquinas. Do prado exuberante restam uns pastos amachucados e das árvores do viveiro sobram meia dúzia, que possivelmente ficarão no futuro jardim, testemunhas daquilo que foi, mas que não mais voltará a ser.

 

Por ora, ainda podemos observar pegas, perdizes, estorninhos e várias outras aves que vão encontrando alimento por entre os torrões revirados, mas findas as obras de fundo e começados os trabalhos de "paisagismo", só sobrarão as "aves de jardim", iguais a todas as outras que podem ser vistas nos relvados ali mais a jusante. Não mais veremos as pegas e as ninhadas de perdizes, nem o deslizar das icónicas rapinas, nos seus calmos voos predatórios. As miríades de insectos polinizadores que ali faziam a sua vida, terão que procurar outros espaços. Este pertence aos humanos.

Pega-rabuda (Pica pica) (11-07-2022)Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) (11-07-2022)Perdiz-vermelha (juvenis) (Alectoris rufa) (11-07-2022)Pega-rabuda (Pica pica) (11-07-2022)

Plantas exóticas, infrastruturas e equipamentos de desporto e lazer, cimento, plástico e metal a rodearem relvados insustentáveis, de aspecto artificial... é insaciável, a nossa sede por moldar o mundo à imagem da nossa concepção de beleza (talvez um dia - ideia louca - alguém nos ensine a apreciar a pureza da natureza, ao invés de a moldar aos nossos desígnios). Ali ao lado, nasce uma ponte para atravessar o Trancão e, aparentemente, entrar com mais um passadiço pelo sapal a dentro. Quando toca ao mundo natural, não há refúgio que não violemos ou santuário que não profanemos...

Vamos ter mais jardins, mais zonas de lazer e mais passadiços. Mais pessoas a andar, correr, saltar e pedalar enquanto falam, riem e gritam. A cidade irá, indubitavelmente, ficar mais bonita...

 

Eu? Eu estou apenas triste.

Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) (11-07-2022)Perdiz-vermelha (Alectoris rufa) Aterro sanitário de Beirolas (12-07-2022)

04
Ago21

Impactos e Interacções - Bigfoot

O impacto que as nossas actividades têm sobre a natureza aumenta a cada ano que passa. O consumo desenfreado leva a um excesso de resíduos e quem paga a factura são as aves, os peixes, as plantas... Urge tomar consciência e fazer os possíveis para reduzir a nossa pegada ecológica que, neste momento, é titânica.

 

Rola-do-mar (Arenaria interpres) Costa de Caparica (02-05-2016) (1).JPGRola-do-mar (Arenaria interpresCosta da Caparica - Almada (02-05-2016)

16
Set17

Impactos e Interacções - Má Vizinhança

O Homem reformula o meio de acordo com as suas necessidades e com isso força os restantes animais a uma deslocalização ou nalguns casos, a uma adaptação a esse novo ambiente.

Segundo o avesdeportugal.info, o alcaravão é considerado uma ave "misteriosa e difícil de observar". De facto, com a sua plumagem críptica e os seus hábitos crepusculares e furtivos, raramente se deixa aproximar sem que entre em fuga ou "desapareça" na vegetação circundante. É apenas lógico considerar-se que um animal com tais características frequente exclusivamente zonas remotas, despidas de gente e da sua influência... mas a natureza não se deixa guiar pela lógica humana e, na sua fascinante adaptabilidade, apresenta-nos destas surpresas.

Neste dia, por volta das 8 da manhã, num lote vazio no meio de casas, oficinas, quintais e hortas, 56 olhos reptílicos perscrutavam as redondezas, vigilantes mas ainda assim tolerantes aos sons e às movimentações da população que despertava ao seu redor.

Não ouso tentar adivinhar o porquê da escolha do local, mas divirto-me a imaginar o que pensarão as pessoas nas casas vizinhas, ao ouvir os seus arrepiantes "lamentos" a ecoar pela noite... é assim que algumas lendas são criadas. 

Alcaravão (Burhinus oedicnemusAlcaravão (Burhinus oedicnemus) Vila Nova de Milfontes - Odemira (22-01-2017)

Eu

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Últimas Observações

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub